Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/77931

TitleEducação e promoção da saúde em meio escolar: contributos dos setores da educação e da saúde
Author(s)Lusquinhos, Leonel
Carvalho, Graça Simões de
Editor(s)Silva, Ronaldo Adriano Ribeiro da
Venturi, Tiago
KeywordsEscola promotora de saúde
Educação para a Saúde
Issue date2022
PublisherUniversidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)
CitationLusquinhos, L. & Carvalho, G.S. (2022). Educação e promoção da saúde em meio escolar: contributos dos setores da educação e da saúde. In: Silva, R.A.R. & Venturi, T. (Org.) Pesquisas, Vivências e Práticas de Educação em Saúde na Escola. Chapecó: UFFS Editora, p.120-134
Abstract(s)As escolas têm vindo a ser consideradas por diversas instituições internacionais (como a OMS - Organização Mundial da Saúde, a UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância, ou a UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) como ambientes favoráveis à promoção da saúde das crianças e jovens, contribuindo, assim, não só para a promoção da saúde, mas também para a melhoria dos resultados escolares dos alunos (IUHPE, 2009). Neste sentido, nas últimas décadas têm-se vindo a desenvolver, a nível nacional, regional ou local, diversos programas com estratégias de uma abordagem global da escola, reconhecendo que todos os aspetos da vida da comunidade escolar são potencialmente relevantes para a promoção da saúde dos agentes escolares: alunos, professores e funcionários não docentes. Assim, foi-se tornando cada vez mais evidente que a promoção da saúde em meio escolar vai bastante mais para além das clássicas aulas de educação para a saúde, lecionadas em disciplinas como a biologia ou a educação física, previstas nos programas escolares. Tais estratégias implicam o desenho de planos estruturados e sistematizados conducentes à melhoria da saúde de todos os agentes escolares. Neste sentido, em Portugal, o sector da saúde (através da Direcção-Geral da Saúde) e o sector da educação (através da Direção Geral de Educação) acordaram os objetivos e estratégias para a implementação de EPS no país, tendo desta forma, Portugal aderido em 1994 à rede europeia ENHPS (“European Network of Health Promoting Schools”) com apenas dez escolas piloto e quatro centros de saúde (FARIA; CARVALHO, 2004). A partir de 1997 procedeu-se ao alargamento (FARIA; CARVALHO, 2004) e, atualmente, segundo a sucessora organização europeia SHE (“Schools for Health in Europe”), todas as escolas portuguesas do ensino básico e secundário são consideradas Escolas Promotoras de Saúde (SHE, 2013). O presente estudo (i) analisa as diretrizes ministeriais de ambos os ministérios da educação e da saúde, (ii) verifica se se existe articulação entre as diretrizes dos dois sectores e (iii) avalia até que ponto tais diretrizes vão ao encontro do que é preconizado internacionalmente para as EPS.
TypeBook part
URIhttps://hdl.handle.net/1822/77931
ISBN978-65-86545-74-6
Publisher versionhttps://www.uffs.edu.br/institucional/reitoria/editora-uffs/pesquisas_vivencias_e_praticas_de_educacao_em_saude_na_escola-1
AccessOpen access
Appears in Collections:CIEC - Livros e Capítulos de Livros

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Capitulo_EPSME-VPESE.pdf754,83 kBAdobe PDFView/Open

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID