Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/47988

TitleConcepções de saúde (positiva e negativa) de professores: implicações para a formação docente e a promoção da saúde em meio escolar
Author(s)Carvalho, Graça Simões de
Tracana, Rosa Branca
Jourdan, Didier
KeywordsEducação para a Saúde
Educação em Saúde
Promoção da Saúde
Concepções de professores
Issue date2017
PublisherEditora Eduem
CitationCarvalho, G.S., Tracana, R.B. & Jourdan, D. (2017). Concepções de saúde (positiva e negativa) de professores: implicações para a formação docente e a promoção da saúde em meio escola. In: Júnior, C.A.O.M., Corazza, M.J. & Júnior, A.L. (Org.) Formação de professores de Ciências: Perspetivas e desafios. Maringá: Eduem. pp. 77-90. (ISBN: 978-85-7628-726-1)
Abstract(s)Para uma eficiente promoção da saúde no meio escolar é necessário que os professores tenham uma formação adequada para tal e para que esta seja posta em prática,é importante conhecerem-se as concepções que os professores têm sobre saúde. Tendo como base o modelo negativo–positivo de saúde proposto por Downie, Tannahill e Tannahill (2000), neste capítulo apresenta-se um estudo levado a efeito em 15 países com o objetivo de se conhecerem as tendências gerais dos vários fatores que influenciam o conceito de saúde. Envolveu países da Europa Ocidental e Oriental, Norte e na África Subsaariana, Oriente Médio e América do Sul, com uma diversidade socioeconómica e cultural elevada. Utilizou-se o questionário construído e validado pelo projeto europeu BIOHEAD-CITIZEN em cada país, a uma amostra equilibrada de futuros professores (Pre) e professores em serviço (In) de ensino primário (P) e de ensino secundário, assim como de ensino de Biologia (B) ou língua materna (L). Os fatores que mais influenciaram os resultados no sentido da perspetiva positiva da saúde (PS) foram o género feminino, a idade mais elevada, a maior formação académica e a área de atuação (dos professores do ensino primário, em comparação com professores do ensino secundário; e professores de línguas, em comparação com os professores de biologia). No entanto, a maior diferença que se encontrou neste estudo foi entre os países, e não tanto na religião, sendo que cinco grupos de países surgiram a partir da análise de clusters. O estudo não conduz a uma visão abrangente dos fatores que influenciam as perceções de saúde dos professores, mas os resultados mostram que há um conjunto de fatores associados à visão positiva de saúde. Atenção a tais fatores deve ser dada aquando da criação de uma área específica de educação em saúde nos cursos de formação de professores.
TypeBook part
URIhttps://hdl.handle.net/1822/47988
ISBN978-85-7628-726-1
Publisher versionhttp://www.eduem.uem.br/novapagina/?q=node/152
AccessOpen access
Appears in Collections:CIEC - Livros e Capítulos de Livros

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EUDEM_Profs-Saude.pdf8,61 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID