Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/47934

TitleA união de facto na Constituição da República Portuguesa: entidade digna de que proteção?
Author(s)Cruz, Rossana Martingo
KeywordsUnião de facto
Direito a constituir família
Issue date2016
Abstract(s)O disposto no n.º 1 do artigo 36.º da Constituição Portuguesa consagra que «Todos têm o direito constituir família e de contrair casamento em condições de plena igualdade.». Ora, este preceito, idêntico ao artigo 16.º da Declaração Universal dos Direitos do Homem e artigo 12.º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem, tem suscitado alguma controvérsia entre nós. Já houve quem defendesse que este n.º 1 do artigo 36.º consagrava somente um único direito. Porém, constituir família é mais amplo e ultrapassa o direito ao casamento. Aliás, parece ser de entender que o legislador quis, efetivamente, distinguir família de casamento, atribuindo identidades diferentes a cada uma daquelas realidades. Contudo, se dúvidas já não existem que, além da família matrimonial, o legislador constituinte quis acautelar outras formas de família, como a natural ou a adotiva; já não tem sido tão claro se este preceito constitucional abrange, igualmente, a convivência more uxorio à margem do casamento. Existe uma clara divergência doutrinal neste âmbito que, julgamos, nunca será demais explorar e analisar. Será o casamento a única conjugalidade protegida aos olhos da nossa Constituição? Como os outros ordenamentos jurídicos têm tratado esta convivência de facto? Compreende-se a dificuldade de efetivar a abrangência de um direito fundamental (e o compromisso a si inerente) a uma realidade que se forma e se dissolve por mera vontade das partes, não estando sujeita à publicidade do registo ou a qualquer intervenção estatal. Ou seja, será razoável impor ao Estado uma ampla proteção a uma existência que não consegue controlar? Por outro lado, questiona-se se não incluir a união de facto no artigo 36.º não será ignorar o seu crescente fenómeno, negando-lhe uma proteção digna. Iremos escalpelizar algumas destas questões, esperando que um amplo debate sobre o tema possa beneficiar o seu desenvolvimento.
TypeConference paper
URIhttps://hdl.handle.net/1822/47934
ISBN978-989-97970-8-6
Peer-Reviewedno
AccessRestricted access (Author)
Appears in Collections:ED/DH-CII - Comunicações e conferências

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO-A união de facto na Constituição da República Portuguesa.pdf
  Restricted access
48,64 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID