Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/25222

TítuloEnsino experimental reflexivo das ciências: uma visão crítica da perspectiva piagetiana sobre o desenvolvimento do conceito de ser vivo
Outro(s) título(s)Experimental reflective science teaching: a critical view of the Piagetian perspective on the development of the concept of living being
Autor(es)Varela, Paulo Idalino Balça
Sá, Joaquim
Palavras-chaveExperimental
Reflexivo
Colaborativo
Construção de significados
Experimental
Reflective
Collaborative
Construction of meaning
DataDez-2012
EditoraUniversidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
RevistaInvestigações em Ensino de Ciências
CitaçãoVarela, P. & Sá, J. (2012). Ensino Experimental Reflexivo das Ciências: uma visão crítica da perspectiva piagetiana sobre o desenvolvimento do conceito de ser vivo. Investigações em Ensino de Ciências. 17(3), pp. 547-569.
Resumo(s)Neste artigo apresenta-se o processo de elaboração de um guia de ensino-aprendizagem sobre o estudo dos seres vivos, a sua implementação em sala de aula, a análise do processo de construção do significado de “ser vivo” pelos alunos e a avaliação das suas aprendizagens. O guia tem subjacente uma prática de Ensino Experimental Reflexivo das Ciências (EERC) e foi implementado em três turmas do 1º ano de escolaridade (n=64). A análise do processo de ensino-aprendizagem ocorrido nas turmas incide nos diários de aulas, elaborados na sequência da observação participante em contexto de sala de aula, e procura: a) identificar as ideias espontâneas dos alunos sobre o significado de ser vivo; b) promover a (re)construção de um novo significado de ser vivo; c) avaliar, por contraste com um grupo de controle (n=64), o efeito especifico da prática de ensino nas aprendizagem dos alunos. Os resultados evidenciam que a maioria dos alunos do grupo experimental, com uma média de 6,5 anos de idade, não foi capaz de desenvolver um significado de ser vivo, como parte integrante de uma estrutura conceitual complexa. Porém, uma parte significativa do grupo experimental desenvolveu, por via da intervenção, um significado de ser vivo bem para além do que é proposto no 4º estágio de desenvolvimento piagetiano, previsto para a idade de 11/12 anos e segundo o qual a vida é reservada aos animais, ou aos animais e plantas.
This paper presents the process of preparing a guide for teaching and learning about the study of “living beings”, its implementation in the classroom, the analysis of the construction of the meaning of “living being” by students, and the assessment of their learning. The practice of Experimental Reflective Science Teaching underlay the elaboration of this guide, which was implemented in three 1st grade classes (n=64). The analysis of the process of teaching and learning occurred in class is centered on the class diaries, which were produced as a result of participant observation in the context of the classroom, and it seeks to: a) identify the students' spontaneous ideas about the meaning of “living being”; b) to promote the (re)construction of a new meaning of “living being”; c) to assess, in contrast to a control group (n=64), the specific effect of this teaching practice in student learning. The results have shown that most students in the experimental group, with an average age of 6.5 years, have not been able to develop a meaning of “living being”, as part of a complex conceptual framework However, through the intervention, a significant part of the experimental group developed a meaning of “living being” which is well beyond that proposed by the 4th Piagetian stage of development, scheduled for the age of 11/12 years, and according to which life is reserved for animals, or for animals and plants.
Tipoarticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/25222
ISSN1518-8795
Versão da editorahttp://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID305/v17_n3_a2012.pdf
Arbitragem científicayes
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CIEC - Artigos (Papers)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
v17_n3_a2012.pdfDocumento principal300,56 kBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis