Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/17579

TitleO que aconteceu às populações do Bronze Final do Noroeste de Portugal, no segundo quartel do I milénio AC, e quando começou, afinal, a Idade do Ferro?
Author(s)Bettencourt, Ana M. S.
KeywordsNoroeste de Portugal
Transição Bronze/Ferro e Ferro Inicial
Actores sociais
Issue date2004
Abstract(s)No seguimento de um artigo escrito para as Actas do II Coloquio de Arqueología en la Cueuca del Navia. La Génesis del Habitat Fortificado en el Norte Peninsular: los Castras en el Trânsito de la Edad del Broncee la Edad del Hierro, intitulado EI Bronce Final y la primera Edad dei Hierro en el noroeste de Portugal, abordámos essencialmente o tema da Transição Bronze/Ferro tentando, com base em sete casos de escudo, individualizar esta fase em termos cronológico-culturais. Defendemos, então, que os seus principais protagonistas foram as populações oriundas do Bronze Final que, num processo de mudança cm continuidade, se foram, lenta e paulatinamente, transformando, embora com assimetrias regionais. Como factores de mudança apontámos a profunda interligação entre factores internos e externos, principalmente nas regiões do litoral e a pressão exercida pelas populações litorais no interior, o que teria resultado em diferente s processos de resposta. Assumimos, na altura, que a partir do séc. IV a.C. parecia ter-se verificado uma aceleração da mudança com inovações que parecem justificar o início de uma nova etapa - o Ferro Inicial sem, no entanto, termos desenvolvido este assunto. Ora é precisamente esta problemática que se privilegia neste trabalho, ou seja, o início do Ferro Inicial, as suas principais alterações e permanências, assim como a origem dos seus actores sociais. Partindo desta análise colocamos a hipótese de trabalho de que o Ferro Inicial, no noroeste português, poderá resultar de um complexo processo de factores endógenos e exógenos, nos quais se admite, pelo menos, para algumas áreas mais litorais pequenas deslocações populacionais de origem meridional. Tal poderá, talvez, justificar, as profundas assimetrias que o registo arqueológico começa a acusar à medida que se vão conhecendo melhor povoados da Idade do Ferro Inicial de áreas mais interiores.
TypeConference paper
DescriptionComunicação publicada em: "Cadernos do Museu". ISSN 0873-5484. 11 (2005) 25-40.
URIhttp://hdl.handle.net/1822/17579
Peer-Reviewedno
AccessOpen access
Appears in Collections:DH - Comunicações em encontros internacionais/Papers at International Meetings

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Bettencourt 2005.pdf6,07 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID