Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/11719

TítuloA percepção de vogais do alemão por bilingues luso-alemães : remigrantes sofrem erosão fonológica?
Autor(es)Flores, Cristina
Rauber, Andréia Schurt
Palavras-chaveErosão linguística
Percepção
Fonologia do Alemão
Bilinguismo
Language attrition
Perception
German phonology
DataDez-2010
EditoraUniversidade do Minho. Centro de Estudos Humanísticos (CEHUM)
RevistaDiacrítica. Série Ciências da Linguagem
Citação"Diacrítica. Série Ciências da Linguagem". ISSN 0807-8967. 24:1 (2010) 49-74.
Resumo(s)adolescentes e jovens portugueses que cresceram como bilingues na Alemanha e retornaram a Portugal na infância (com as idades entre 5 e 10 anos). Todos os informantes afi rmaram não utilizar o alemão desde o seu regresso e já não ser capazes de formular frases correctas nesta língua. O estudo teve como objectivo testar se a sua habilidade perceptiva para discriminar sons do alemão tinha sofrido erosão ou se tinha mantido invulnerável à falta de uso da língua. Diferentemente do alemão, as vogais do português não se distinguem em termos de duração e o inventário fonológico desta língua não contém as vogais arredondadas /ʏ/ e /y:/. Assim, testámos a habilidade perceptiva dos informantes para discriminar vogais em termos de (i) duração, no contraste /a-a:/; (ii) duração+qualidade, nos contrastes /ɪ-i:/ e /ʊ-u:/; e (iii) qualidade, nos contrastes /i-ʏ/, /ʊ-ʏ/, /i:-y:/ e /u:-y:/ por meio de um teste de discriminação categórica. Os resultados revelam que os informantes regressados foram capazes de fazer distinções entre vogais que diferiam em termos de duração, duração+qualidade e qualidade na língua que sofreu erosão. Isto indica que, embora sejam incapazes de reactivar a gramática e o léxico da língua não utilizada, a sua habilidade para discriminar os sons do alemão parece permanecer estável.
Th is study investigated the perception of German vowels by a group of eight Portuguese adolescents and young adults who were raised bilingually in Germany and returned to Portugal in early childhood (between the ages 5 and 10 years). All the participants reported not using German once in Portugal and being unable to formulate accurate sentences in that language. Our aim was to test whether their perceptual ability to discriminate German sounds had undergone attrition or remained invulnerable to the lack of language use. Diff erently from German, Portuguese vowels are not distinctive in duration and the Portuguese inventory does not contain the rounded vowels /ʏ/ and /y:/. Th us, we tested the participants’ perceptual ability to discriminate vowels in terms of (i) duration, in the contrast /a-a:/; (ii) duration+quality, in the contrasts /ɪ-i:/ and /ʊ-u:/; and (ii) quality, in the contrasts /i-ʏ/, /ʊ-ʏ/, /i:-y:/ and /u:-y:/ by means of a categorical discrimination test. Th e results reveal that the returnees were able to make vowel duration and quality perceptual distinctions in the attrited language. Th is indicates that although they seem unable to reactivate the grammar and lexicon of the non-used language, their ability to discriminate German sounds seems to have remained stable.
Tipoarticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/11719
ISSN0807-8967
Versão da editoraceh.ilch.uminho.pt
Arbitragem científicayes
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CEH - CL - Artigos (Papers)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Cristina_Flores e Andreia_Rauber-Percepcao_vogaisDiacrítica.pdfDocumento principal273,78 kBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis