Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/43352

TitleDistâncias menores... maiores comportamentos ativos?: associação do fator distância com os modos de deslocamento de crianças à escola
Author(s)Souza, Sérgio
Pereira, Beatriz Oliveira
Carvalho, Wellington
Rosário, Rafaela
Matos, Ana Paula Rodrigues
Silva, Ana
KeywordsTransporte ativo
Fatores ambientais
Crianças
Distância casa-escola
Active transport
Environmental factors
Children
Distance home-school
Issue date2016
PublisherLEGS e.V. - Leipzig Experts in Global Sport e.V.
Abstract(s)O deslocamento ativo para a escola se caracteriza como uma estratégia para potencializar os níveis de atividade física de crianças em seu quotidiano escolar (Timpério et al, 2006).Entretanto, estudos têm demonstrado que diversos fatores (intrapessoais, ambientais, políticos, etc.) podem influenciar na decisão e opção ao modo de deslocamento de crianças à escola (Bungum et al., 2009; Pereira et al., 2014). Este estudo objetivou sintetizar, por meio de revisão sistemática, as evidências disponíveis sobre a associação do fator distância no deslocamento ativo de crianças do ensino básico (2º/3º ciclo) no trajeto casa-escola. A busca pelos estudos foi realizada em seis bases de dados (PubMed, EBSCO, LILACS, Web of Science, BVS e B-On) com a combinação dos descritores active commuting, children, school, environmental factors, seus similares padronizados pelo Medical Subject Headings (MeSH) e respetivos correspondentes em língua portuguesa padronizados pelo Descritores em Ciências da Saúde (DeCS). Quarenta e um artigos foram selecionados para a revisão sistemática. Os estudos apresentaram uma tendência de crescimento a partir de 2011 na quantidade de publicações em revistas indexadas.Estados Unidos, Austrália e Canadá concentraram a maioria dos estudos publicados. Verificou-se publicações em periódicos de diversas áreas com maior concentração na área da saúde. Evidenciou-se forte associação dos modos ativos de deslocamento em relação ao fator distância casa-escola. Entretanto, devido às diversas variáveis intervenientes, há pouco consenso em relação à uma distância padrão.No geral, as melhores probabilidades de deslocamento ativo se deram em crianças que residem até aproximadamente 3,2km (2milhas), com algumas variações e diminuindo consideravelmente a partir desta distância.Salienta-se a importância de políticas e ações no planeamento da oferta e localização de escolas do ensino básico em áreas residenciais, pois, distâncias menores estimulam e favorecem o acesso aos modos de deslocamento ativos, promovendo assim, comportamentos ativos no quotidiano das crianças.
The active commuting to school is characterized as a strategy to improve the levels of children physical activities in scholar context (Timpério et al, 2006). However, studies have shown that many factors can affect the decision and the manner the children move to school (Bungum et al., 2009; Pereira et al., 2014).This study objective was to outline by systematic review the available evidence about the association of the factor distance in the children’s (2nd and 3rd cycle) active commuting route home to school.The research for the studies was done in six data bases (PubMed, EBSCO, LILACS, Web of Science, BVS and B-On) with the combination of the descriptors active commuting, children, school, environmental factors, and similar standardized by the Medical Subject Headings (MeSH) and its respective corresponding in Portuguese standardized by the descriptors in Health Science (DeCS). Forty-one articles were selected for the systematic review. The studies presented since 2011 a tendency of growing in the quantity of publications in indexed journals. United States, Australia and Canada have the most part of the published studies. They were verified publications in journals with the highest concentration in health areas. The association of active commuting manners in relation to the factor distance home-school was evidenced. Nevertheless for many variables there is little consensus in relation to the standard distance. In general, the best probabilities of active commuting occurred in children who live within 3,2km (2 miles), with some variation and decreasing considerably from this distance.We emphasize the importance of policies and actions in the planning and location of the basic teaching schools in residential areas, for shorter distances stimulate and favour the access to active commuting promoting this way active behaviour in the children’s daily life.
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/43352
ISBN978-3-00-053685-4
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CIEC - Textos em atas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SERGIO_DISTANCIA MENORES.pdf1,44 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID