Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/8495

Título2006: o ano da renovação administrativa das licenças da SIC e da TVI
Autor(es)Lopes, Felisbela
Palavras-chaveLicenças de TV
Canais privados
Operador público
Data2007
EditoraObservatório da Comunicação (OberCom)
Citação“Anuário da Comunicação”. ISSN 1645-0345. (2005-2006) 250-257.
Resumo(s)Foi o ano da renovação das licenças de televisão dos canais privados, mas não houve qualquer debate em torno da evolução da oferta televisiva da SIC e da TVI. Foi o ano do Campeonato Mundial de Futebol cujos direitos de transmissão televisiva dos jogos pertenceram, em Portugal, à Sport TV (na totalidade) e à SIC (14 jogos), mas quem liderou as audiências foi a TVI. Foi o ano em que o grupo espanhol Prisa deu mais um passo para controlar o capital da TVI, mas não houve mudanças substanciais na grelha televisiva. Foi o ano em que os telespectadores deixaram de se interessar pelas “novelas da vida real”, mas os directores de programas substituíram esse amplo espaço por mais do mesmo: ficção nacional. Houve novidades a merecer aplauso: a RTP instituiu o cargo de Provedor do Espectador, concedendo-lhe um programa semanal em horário nobre (A Voz do Cidadão); a TV Cabo abriu portas a mais um projecto televisivo, o Porto Canal, vocacionado para uma informação mais atenta ao norte do país, nomeadamente à zona metropolitana do Grande Porto; o serviço público de televisão consolidou uma oferta televisiva distinta das estações generalistas privadas quer ao nível do entretenimento (salientam-se, por exemplo, Dança Comigo e Diz que é uma espécie de magazine), quer ao nível da informação (a partir de Setembro, a RTP1 emite em horário nobre programas de géneros variados: grande-entrevista, reportagem, debate, comentário político…). No entanto, 2006 caracterizou-se por muitos ruídos: a SIC e a TVI continuaram a ser, depois do noticiário das 20h00, canais temáticos de entretenimento, contrariando a deliberação 1-L/2006, de 20 de Junho, da Entidade Reguladora da Comunicação Social que estipula grelhas diversificadas para ambas as estações; o canal generalista público foi acusado de ceder a pressões do Governo que iriam no sentido de censurar a cobertura dos incêndios de Verão.
Tipoarticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/8495
ISSN1645-0345
Versão da editorahttp://www.obercom.pt/client/?newsId=342&fileName=anuario_2005_2006.pdf
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CECS - Artigos em revistas nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Lopes_2007_licenças de TV.pdfParte de livro248,87 kBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis