Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/70495

TitleMininu di Kriason: caraterização da realidade das crianças confiadas na Guiné-Bissau
Author(s)Alves, Sofia Moniz
Carvalho, Graça Simões de
KeywordsCrianças confiadas
Bem-estar
Riscos
Família
Issue date2020
PublisherEventQualia
CitationAlves, S.L & Carvalho, G.S. (2020). Mininu di Kriason: Caraterização da realidade das crianças confiadas na Guiné-Bissau. In: Conference Proceedings of the ICCA2020: International Conference on Childhood and Adolescence. p.312-313. Lisboa: eventQualia
Abstract(s)Os conceitos Fosterage, “Crianças Confiadas” ou “Filhos de Criação”, definem a prática de uma família confiar um filho aos cuidados de outra família. Esta prática tem levantado várias questões a investigadores e ativistas no que toca ao bem-estar e o respeito pelos direitos das crianças. Este estudo visa explicar a prática da “confiança” na Guiné-Bissau através da exploração do conceito “Filhos de Criação” (em crioulo Mininu di Kriason) e os possíveis riscos ao bem-estar destas crianças. Através de uma metodologia mista pretendeu-se verificar: a) se a escolha dos "Filhos de Criação" é determinada por serem do sexo feminino, tenderem a ser crianças com mais de 4 anos, órfãos de pai e/ou mãe, não serem gémeos, não serem deficientes nem "Crianças Irã", serem da etnia Balanta, da religião Animista e serem sobrinhos do chefe de família; b) se há diferenças significativas entre os "Filhos de Criação" e os "Não Filhos de Criação"; c) entre os “Filhos de Criação” e os Filhos Biológicos das “Famílias de Criação”; e d) entre os “Filhos de Criação” do sexo feminino e os do sexo masculino, no que diz respeito às dimensões de nutrição, proteção, educação, cuidado/abrigo e saúde. As hipóteses de estudo foram testadas numa ampla amostra de 3489 crianças onde foram identificados 113 “Filhos de Criação”. Os resultados demonstraram que a definição do termo utilizado na sociedade guineense “Filho de Criação” ou Mininu di Kriason, que corresponde à definição de Fosterage ou Enfants Confié. Igualmente que ser "Filho de Criação" caracteriza-se por: i) ser essencialmente do sexo feminino, ii) sobrinha dos pais de criação, em especial da mãe de criação, iii) ser uma criança mais velha e que se pode igualmente caracterizar por ser órfã (de pai/mãe ou ambos), iv) criança deficiente ou doente e v) “Criança Irã”. Através do estudo realizado pôde-se concluir que existem diferenças significativas entre os "Filhos de Criação" e os não "Filhos de Criação", tendo os primeiros uma maior tendencia para a situação de risco. Igualmente o estudo demonstra que situação de “Criança Confiada” está associada a outras situações de violação dos direitos das crianças, como o casamento precoce e, muitas vezes, forçado, bem como a padrões familiares que alimentam estereótipos de género que condicionam e autodeterminam as crianças, principalmente as do sexo feminino, a determinados papéis na família e na sociedade. Na base destas violações à autodeterminação da criança e à sua dignidade, verificou-se que existe, nos estados frágeis como a Guiné-Bissau, um foco na importância da capacidade de produção da família, e nesse sentido a criança passa a ser um canal (para a “Família Biológica”) e um elemento (para a “Família de Criação”) que tem como finalidade ser fonte de rendimento e de produção, muitas vezes vista como uma mais-valia como mãode-obra. Nesse sentido o microssistema familiar não é um subsistema de proteção para a criança, mas sim um subsistema em que a própria criança tem que contribuir como elemento de suporte e produtivo.
TypeAbstract
URIhttps://hdl.handle.net/1822/70495
ISBN978-989-54102-3-1
Publisher versionhttps://objsrv01.eventqualia.com/evt4-media/documents/atas_ICCA_2020_l5ZAZq8.pdf
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CIEC - Textos em atas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MininuDikriason_312-313.pdf110,17 kBAdobe PDFView/Open

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID