Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/70085

TitleArte pública versus arte privada? Alteridades artísticas urbanas e web 2.0
Other titlesPublic art versus private art? Urban artistic alterities and web 2.0
Author(s)Andrade, Pedro José de Oliveira
Editor(s)Andrade, Pedro José de Oliveira
Marques, Carlos
Barros, José
KeywordsPublic art
Private art
Interculturality
Social and cultural alterity
Wikipedia's cultural discourse
Arte pública
Arte privada
Interculturalidade
Alteridade social e cultural
Discurso cultural da Wikipédia
Issue date2020
PublisherCaleidoscópio
CitationAndrade, P. (2020). Arte pública versus arte privada? Alteridades artísticas urbanas e web 2.0 . In P. Andrade; C. Marques & J. Barros (Eds.), Arte Pública e Cidadania: Novas Leituras da Cidade Criativa (pp. 31-56). Lisboa: Caleidoscópio [2ª Ed.].
Abstract(s)Public art is a multifaceted phenomenon. In paticular, its identity often emerges from the social and cultural alterities that constitute it. That is, public art is currently what other arts are not. In this perspective, for example, public art would differ or even oppose to private art. However, such a dichotomy, if understood abstractly, appears somehow reductive. In fact, private art, if it partly promotes a cultural divide between connoisseurs and laymen, can sometimes serve public causes, or even emancipation. For its part, public art, if often arising in harmony with democratic life and the exercise of citizenship, can also serve as an object of manipulation of citizens by local, national or global powers. To demonstrate such theses, the author discusses (i)legitimate public art versus (i)legitimate private art; the cultural diversity associated with cultural alterities such as migrants; marginal urban art alterities such as graffiti and stencils, and Wikipedia's cultural discourse on public art.
A arte pública mostra-se um fenómeno multifacetado. Em última análise, a sua identidade emerge frequentemente das alteridades sociais e culturais que a constituem. Ou seja, a arte publica é, muitas vezes, aquilo que as outras artes não são. Nesta perspectiva, por exemplo, a arte pública diferenciar-se-ia, ou mesmo opor-se-ia, à arte privada. Contudo, uma tal dicotomia, se entendida abstratamente, revela-se algo redutora. De facto, a arte privada, se em parte promove urn cultural divide entre conhecedores e leigos, em certas ocasiões pode servir causas públicas, ou mesmo de emancipação. Por seu turno, a arte pública, se bem que surja muitas vezes em sintonia com a vida democrática e o exercício da cidadania, também pode servir como objeto de recuperação e manipulação dos cidadãos por parte dos poderes locais, nacionais ou globais. Para demostrar estas teses, o autor discute a arte pública (i)legítima face à arte privada (i)legítima; a lnterculturalidade associada às alteridades culturais como os migrantes; as alteridades artísticas urbanas marginais como os graffiti e os stênceis, e ainda o discurso cultural da Wikipédia sobre a Arte Pública.
TypeBook part
URIhttps://hdl.handle.net/1822/70085
ISBN978-989-658-589-1
DOI10.30618/978-989-658-589-1
AccessRestricted access (Author)
Appears in Collections:CECS - Livros e capítulo de livros / Books and book chapters

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
BC_AndradePedro_2020_APC2_ArtesPúblicasArtesPrivadas_R.pdf
  Restricted access
4,05 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID