Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/59916

TitleNota introdutória: a modernidade e a pós-modernidade em foco
Author(s)Gonçalves, Albertino
Rabot, Jean-Martin
KeywordsModernidade
Pós-modernidade
Cultura
Indivíduo
Símbolos
Modernity
Post-modernity
Culture
Individual
Symbols
Issue date2010
PublisherUniversidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS)
JournalComunicação e Sociedade
CitationGonçalves, A. & Rabot, J. (2010). Nota introdutória. A modernidade e a pós-modernidade em foco. Comunicação e Sociedade, 18, 7-9. DOI: 10.17231/comsoc.18(2010).1003
Abstract(s)As ciências sociais, que tinham a pretensão de antecipar os acontecimentos, mostraram-se muitas vezes em atraso sobre eles. Defraudaram a sua vocação ao pensar que deviam dirigir o mundo e dar-lhe um rumo certo, um rumo que era inerente à história do Ocidente, à maneira como este sempre se concebeu, em virtude das suas raízes judaico-cristãs: o rumo da cidade celeste (Santo Agostinho), o do controlo da natureza (Descartes), o da imposição da liberdade (Rousseau), o do reino dos fins como resultado da autonomia da vontade (Kant), o da perfectibilidade do Homem (Condorcet), o do estado positivo (Comte), o da emancipação do Homem (Marx), o dos princípios de justiça (Rawls). É como se o Ocidente não pudesse conhecer outro caminho do que aquele que a razão universal traçou para ele. A raiz judaico-cristã do Ocidente alastrou-se a todos os domínios de actividade, inclusive à especulação filosófica e científica, assim como à experiência política. É como se a teologia desembocasse necessariamente numa teleologia, e que esta contaminasse, por efeito de contágio, a filosofia, a ciência e a política. Daí que Julien Freund tenha advogado uma filosofia que fosse filosófica, ou seja, que permitisse multiplicar até ao infinito as perspectivas de apreensão do ser e de atribuição de sentido ao mundo e à existência, em vez de determinar de forma unidimensional o que deve ser e advir. É assim que Michel Maffesoli defende uma sociologia que seja compreensiva em vez de explicativa, descritiva em vez de analítica, insistindo sobre a raiz comunitária e, por conseguinte, sentimental e passional do político. O presente recupera motivos do passado que são adaptados à modernidade. O tempo do filósofo-rei ou do sociólogo-rei já passou.
TypeArticle
URIhttps://hdl.handle.net/1822/59916
DOI10.17231/comsoc.18(2010).1003
ISSN1645-2089
e-ISSN2183-3575
Publisher versionhttp://revistacomsoc.pt/index.php/comsoc/article/view/1003
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Artigos em revistas nacionais / Articles in national journals

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2010_Goncalves_Rabot_nota-int.pdf74,04 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID