Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/5656

TitleA Brotéria e a justiça social no Estado Novo
Author(s)Santos, Alberto Jerónimo Silva
Advisor(s)Lopes, José Manuel Martins
Issue date9-Jan-2006
Abstract(s)A Brotéria é uma revista, propriedade da Companhia de Jesus, de Índole cultural e humanista, criada em 1902. Com mais de um século de existência, surgiu, por um lado, como reacção às ideias liberais ateias e macedónicas marcadamente anticlericais e, por outro, contra as tendências positivistas, tão em moda, que dispensavam ou negavam a presença de Deus no mundo e, sobretudo, no exercício da ciência. Ora esta revista, criada por sacerdotes que simultaneamente eram cientistas com créditos firmados, pretende sustentar que a afirmação da existência de Deus não é incompatível com a ciência nem com os espíritos cultos, desenvolvidos racionalmente, que nela acreditavam. O Estado Novo é a designação atribuída ao período histórico-político compreendido entre 1933 e 1974. Continua, nos dias de hoje, a considerar-se um tempo controverso da histeria recente de Portugal, se atendermos aos direitos cívicos promovidos ou negados pelo regime político então vigente. Neste contexto que analisamos, na nossa Tese de Mestrado, o lugar e o papel da Brotéria, isto é, se esta revista é mais um dos veículos de propaganda do regime ou se é um órgão isento e imparcial, preocupado em apoiar ou denunciar, consoante a justinha social seja prosseguida ou violada. Podemos comprovar que, num primeiro momento, houve como que um acordo técnico em que o poder permitia a fixação de residência em Portugal da Companhia de Jesus e a revista, numa atitude de reconhecimentos, enfatizava as medidas governamentais e os benefícios delas resultantes. Num segundo período, notamos um certo distanciamento em relação às políticas do governo e, em algumas medidas, uma crítica desaprovante. Finalmente, maior distanciamento se verifica a partir de 1965, não sãs porque o corpo redactorial da revista se abre a articulistas leigos que não eram seguidores da politica oficial do regime, mas, também, em consequência disto, constatámos a existência de críticas à teoria e à prática politicas. Estes três momentos podem ser observados na forma como a Brotéria tratou a questão colonial portuguesa. No nosso trabalho, salientamos ainda a preocupação da revista em colocar-se ao lado dos socialmente discriminados, porque desfavorecidos física ou psicologicamente, ou devido à sua condição social. Os deficientes e a sua integração na sociedade, a mulher e a sua promoção social, como direito a ela devido, o respeito pela dignidade e pelos direitos dos homens, são preocupantes primordiais para que se instaure a justinha na sociedade e a paz possa, por meio dela, existir entre os homens.
TypeMaster thesis
DescriptionTese Mestrado em Filosofia. Área de Especialização em Fenomenologia e Filosofia da Religião
URIhttp://hdl.handle.net/1822/5656
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Dissertações de Mestrado
ED/DH-CII - Comunicações e conferências

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
A Brotéria e a Justiça Social no Estado Novo.pdf734,98 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID