Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/5354

TitleVinho do Porto e lusofonia: o produto "ex-libris" de Portugal, enquanto discurso, a partir de um estudo de caso
Other titlesPort Wine and lusophony: the “ex-libris” portuguese product as discourse : a case study
Author(s)Melo, Ana Duarte
KeywordsLusofonia
Cultura
Identidade
Rótulos
Marca
Vinho do Porto
Cálem
Exportação
Relações Portugal-Brasil
Lusophony
Culture
Identity
Brand labels
Trademark
Port Wine
Export
Portugal-Brazil relations
Issue date2006
CitationCONGRESO INTERNACIONAL DE COMUNICACIÓN LUSÓFONA (LUSOCOM), 7, Santiago de Compostela, España, 2006 – “Congreso Internacional de Comunicación Lusófona”. [S.l. : s.n., 2006?]. p. 1057-1086.
Abstract(s)A partir da análise de rótulos de Vinho do Porto da marca Cálem lançados nos mercados latino-americanos na viragem do século XIX para o XX, (circa 1894-1912) verificou-se que são criadas marcas específicas para exportação (Brasil, Argentina, Uruguai, etc), com nomes adaptados afectiva e culturalmente aos locais de consumo. Esta característica de adaptabilidade parece muito típica da maneira de estar e ser da "lusofonia" e, quiçá, uma das razões da sua sobrevivência. A análise e contextualização deste percurso passado e o seu paralelo com a actualidade, — sendo que os mercados evoluiram para outras latitudes e a atitude também se modificou —, deixam transparecer as estratégias comerciais a partir do discurso do produto, eventualmente influenciadas pela evolução da política de protecção estatal ao Vinho do Porto. Os rótulos veiculam alegadamente um certo conceito de portugalidade, “exportando” mais que um produto, uma cultura e o seu património identitário. Hoje, independentemente das especificidades de cada mercado, até que ponto a lusofonia sobrevive ou se esfuma perante a globalização?
Port Wine and Lusophony: the “ex-libris” Portuguese product as discourse. A case study. Studying the Cálem Port Wine labels created with the special purpose of conquering the new South American markets during the turn of the 19th to the 20th century (circa 1894-1912), we found names and images culturally and emotionally adapted to get the local consumer attention and affection. This adaptability seems to be a typical lusophony way and, probably, one of the reasons for its survival. 1059 The analysis of this past path and the coincidence with the present — markets moved to different latitudes and attitudes — show the business strategies behind the product messages, probably influenced by the political, economic and social evolution as well as by state protection laws of Port Wine. The labels under study communicate a certain concept of “portugality”, exporting thus not only a product, but a culture and its identity. Under the pressure of globalization and each market special needs, will lusophony sink or rise?
TypeConference paper
URIhttps://hdl.handle.net/1822/5354
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Atas em congressos | Seminários / conference proceedings

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
vinhoporto_amelo_06.pdf1,82 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID