Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/29893

Title“Nada Para Fazer”: nova(s) epistemologia(s) do tempo social
Author(s)Araújo, Emília Rodrigues
Duque, Eduardo Jorge
Franch, Mónica
KeywordsTempo social
Não fazer nada
Falta de tempo
Issue date2013
PublisherUniversidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS)
Universidade de Aveiro
JournalRevista Lusófona de Estudos Culturais
Abstract(s)Este artigo discute o sentido das expressões “não fazer nada” e “não ter nada para fazer”, no contexto das sociedades contemporâneas. Partimos da ideia de que a experiência social é cada vez mais mediada pelo paradoxo entre a experiência da “falta de tempo” e a experiência do “tempo em abundância” - tempo imediato e correntemente classificado como “vazio”, sem “nada para fazer”. Ambas as expressões cunham os discursos e as ações dos atores sociais nos seus quotidianos e ambas são sociologicamente significativas, por sinalizarem um distanciamento entre as formas de organização social e cultural do mundo – o mundo tal como este se dispõe e oferece aos sentidos dos sujeitos sociais, com as suas múltiplas e diversas alternativas – e as subjetividades – os modos como o sujeito se compreende a si e à sua experiência quotidiana nesse mundo e lhe atribui sentido.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/29893
ISSN2183-0886
Publisher versionhttp://estudosculturais.com/revistalusofona/index.php/rlec/article/view/48/65
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Artigos em revistas nacionais / Articles in national journals

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EA_RLEC.pdfArtigo em revista científica nacional257,88 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID