Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/26026

TítuloPublic stated preferences for pharmaceutical funding decisions
Autor(es)Aguiar, Magda Francisca Calás Oliveira Carvalho
Orientador(es)Veiga, Paula Alexandra
Watson, Verity
Palavras-chavePharmaceuticals funding
Pharmaceuticals reimbursement
Stated preferences
Discrete choice experiment
Financiamento
Medicamentos
Preferências socias
Escolha discreta
Data2013
Resumo(s)Introduction: In Portugal, the pharmaceutical consumption is subsidized by public funds. The rising NHS expenditures and the recent need of cost containment policies emphasize the discussion on priority setting in health care and raise questions of which criteria are appropriate to support funding decisions. Decision-makers base the pharmaceutical funding grant on clinical and economical evidence. Vulnerable sub groups, such as chronically ill and elderly with low income, benefit of higher financing rates than the general population. Little is known about the preferences of the public for pharmaceutical funding criteria in Portugal. Discrete Choice Experiments (DCEs) are suitable for the estimation of stated preferences as they measure of benefit that describes the good through a bundle of attributes and levels and it is based on the assumption that an individual’s valuation depends upon the levels of these attributes. DCE have the potential to contribute to outcome measurement for use in economic evaluation, uniquely allowing the investigation of diverse questions, such as clinical, economic and ethical. Aim: This work seeks to investigate criteria considered important by the Portuguese public for allocating resources for pharmaceuticals. In particular, we estimate the importance of the severity of the disease for which the treatment is indicated, the prevalence of the disease in Portugal, the efficacy of the pharmaceutical and the government costs per person treated. Method: A self-completion DCE survey, with 18 binary choice sets, was administered to two samples of the general population. Choice data are used to consider the relative importance of changes across attribute levels, and to model utility scores and relative probabilities. Results: A total of 90 individual completed the DCE. For the levels and units presented in the DCE, all attributes were statistically significant, in both samples. The attributes “severity of the disease for which the pharmaceutical is indicated” and “efficacy of the new pharmaceutical” had the higher utility values. The coefficient for the cost attribute was negative. Conclusions: This is the first DCE in Portugal that extends the discussion of prioritization in the health care sector, namely on the pharmaceutical funding decision, to the general population. This study sets foundation for future research and supports the acceptability of the public for DCEs.
Introdução: O consumo de medicamentos em Portugal, é em parte, financiado pelo Estado, através de um sistema de comparticipação de medicamentos. O aumento da despesa do SNS e a recente necessidade de implementação de políticas para a contenção da despesa pública enfatizam a discussão sobre os critérios apropriados para fundamentar as decisões de priorização e financiamento dos cuidados de saúde. Atualmente, a decisão para atribuição de comparticipação de medicamentos baseiam-se na evidência de benefício clinico e económico. No entanto, nenhum estudo investigou as preferências sociais para o financiamento de medicamentos em Portugal. A metodologia selecionada, escolha discreta, tem o potencial de contribuir de forma única para a avaliação económica na saúde, englobando critérios clínicos, económicos e éticos. Objetivo: O presente trabalho tem como objetivo investigar critérios considerados importantes pela população portuguesa para o financiamento de medicamentos. Em particular, estimou-se a importância dos atributos: severidade da doença para o qual o medicamento está indicado, prevalência da doença em Portugal, eficácia do medicamento e custo para o estado por pessoa tratada. Método: Foi administrado um questionário, DCE, com 18 pares de alternativas, a duas amostras da população de Braga. Resultados: No total, 90 indivíduos responderam ao questionário. Os atributos severidade da doença para o qual o medicamento está indicado e eficácia do medicamento obtiveram os valores de utilidade mais elevados. Para os níveis apresentados, todos os atributos fora estatisticamente significativos, em ambas as amostras. O coeficiente para o atributo “custo para o estado por pessoa tratada” foi negativo. Conclusão: Este é o primeiro estudo português a estender a discussão do financiamento de medicamentos à população geral. Este estudo contribui para o desenvolver de investigações futuras e evidencia a aceitabilidade dos DCE junto da população.
TipomasterThesis
DescriçãoDissertação de mestrado em Health Economics and Policy
URIhttp://hdl.handle.net/1822/26026
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:BUM - Dissertações de Mestrado
GAI - Dissertações de Mestrado
NIMA - Dissertações de Mestrado/Master Theses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Magda Francisca Calás Oliveira Carvalho Aguiar.pdf7,57 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis