Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/24273

TítuloJogo simbólico : efeito do género e da fratria
Autor(es)Cerqueira, Bárbara Filipa Carvalho
Orientador(es)Martins, Carla
Palavras-chaveJogo simbólico
Género
Fratria
Symbolic play
Gender
Brother is younger or oldest from the second born
Data2012
Resumo(s)O jogo simbólico ou jogo do “faz-de-conta” consiste na capacidade de a criança transformar um objeto em outro, não relacionado com o primeiro, ou de recriar ações que se realizaram no quotidiano, dando-lhe uma resolução diferente (Piaget & Inhelder, 1979). Durante os primeiros anos de vida, a criança usa o jogo simbólico “a solo” e brinca sozinha sem o auxílio dos outros, o que é importante para o seu desenvolvimento cognitivo (Stambak & Sinclair, 1993). A partir de 1 e até aos 2 ½ anos, a criança começa a brincar com os pares e é capaz de construir cenários para o fazer e também pode construí-los com a sugestão de um adulto, irmão ou par (Howes, Unger, & Matheson, 1992a). Com o desenvolvimento da criança, o jogo simbólico torna-se mais complexo, principalmente se a mesma for interagindo com as crianças mais velhas ou com adultos. Os irmãos mais velhos ensinam, e assumem, o papel de líder, nos primeiros anos de vida do irmão mais novo. A presente investigação tem dois objetivos principais: por um lado, explorar a existência de diferenças de género, no jogo simbólico; por outro, avaliar se o desempenho, na tarefa do jogo simbólico, se relaciona ou não com a existência de irmãos. Este estudo foi realizado com crianças de idades compreendidas entre os 36 e os 40 meses. Num primeiro momento, pretendeu avaliar-se a capacidade para a realização do “faz-de-conta” “a solo” e a familiarização com os objetos expostos (Meins, Fernyhough, Russell, & Clark-Carter, 1998). De seguida, pretendeu testar-se a capacidade de representar simbolicamente os objetos, através de uma instrução dada pelo investigador (ex., capacidade de transformar um objeto em outro através do “faz-de-conta”). Nos resultados, não foram encontradas diferenças em função do género; da existência de irmãos; e se o irmão é mais novo ou mais velho, no jogo simbólico a “solo” e colaborativo. A inexistência de diferenças em função do género está relacionada com os materiais utilizados na investigação e os modos de transformação simbólica. Em relação à ausência de diferenças entre crianças com e sem irmãos, há o facto de as crianças sem irmãos serem estimuladas para um jogo mais complexo, no jardim de infância, pelos pares mais velhos, pais e outros adultos.
Symbolic play can also be designated “make-believe” and consists in the capacity to transform an object into another, without relations with the first one. This concept also applies when a child recreates actions that happen in the daily life, given them another solutions (Piaget & Inhelder, 1979). During the first years of life, the child uses “solo” symbolic play, play alone without the help of others, what is important for cognitive development (Stambak & Sinclair, 1993). From 1 to 2 ½ years of age, the child begins to play with peers and is capable to construct scenes to do so, or by the suggestion of an adult, brother or peer (Howes et al., 1992a). As the child‟s grows older, the symbolic play is more complex, if the child is stimulated in interactions with older peers and adults. Older siblings have an important paper in cognitive development of the child as in the first years of life, they normally assume the role of a leader in the first years of life of the younger brother. Within this framework, the present study was carried out with two main purposes: aimed at investigating the gender influences on symbolic play and exploring if the children with or without siblings had differences performance in symbolic play. The study was conducted with children aged 36 to 40 months of age. At first moment, children were assessed in their solitary symbolic play abilities though their performance at play with provided objects (Meins et al., 1998). Assessing the capacity of representing objects symbolically with the instruction of the investigator (e.g. capacity to transform an object into another through pretend play). Results did not show evidence of gender or sibling effects.
TipomasterThesis
DescriçãoDissertação de mestrado integrado em Psicologia (área de especialização em Psicologia Clinica)
URIhttp://hdl.handle.net/1822/24273
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:BUM - Dissertações de Mestrado Integrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Bárbara Filipa Carvalho Cerqueira.pdf2,05 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis