Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/16981

TitleAchados metálicos de cobre no Baixo Vouga (Centro-Norte de Portugal)
Author(s)Cruz, Carlos
Bettencourt, Ana M. S.
Figueiredo, Elin
Araújo, M. Fátima
KeywordsBaixo Vouga
Artefactos metálicos
Arqueometalurgia
Cobre
Pré-História Recente da fachada ocidental do Centro-Norte Português
Issue date2010
PublisherCentro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM)
Abstract(s)O objetivo deste trabalho é o de dar a conhecer dois objetos metálicos, à base de cobre, encontrados em contextos arqueológicos distintos do curso inferior do rio Vouga e desta forma contribuir para o estudo das primeiras produções metalúrgicas na fachada ocidental do Centro-Norte português. O primeiro artefacto, um punhal com chanfraduras na zona de encaixe, foi detetado no sítio da Tapada do Espinheiro, freguesia de Sepins, concelho de Cantanhede, num terraço localizado a NW da plataforma de Murtede-Cordinhã, sobranceira à Vala Real/rio da Tapada (rio da Ponte), tributária do rio Cértima, afluente da margem sul do Vouga. O achado, detetado em trabalhos de prospeção, inseria-se numa área com cerca de 1.000 m2 onde ocorriam manchas de terra escura, concentração de cerâmica, de artefactos em pedra polida e talhada e alguns calhaus e blocos calcários resultantes da destruição de estruturas pétreas. A segunda peça, um machado plano, foi encontrado no topo da referida plataforma, a norte da freguesia de Sepins, concelho de Cantanhede, numa estação arqueológica de grandes dimensões sobranceira ao rio da Ponte, afluente do Cértima. Em ambos os contextos há fragmentos cerâmicos profusamente decorados com decorações incisas metopadas de tipo Penha, típicos do Calcolítico do Noroeste português, assim como decorações penteadas e espinhadas, comuns no Calcolítico do Nordeste e no Calcolítico e Inícios da Idade do Bronze do Alto Douro e da Beira Alta, balizas cronológicas onde estas peças se poderão inserir. Ao contrário do acervo cerâmico que indicia contactos com o Noroeste Peninsular e áreas mais interiores da bacia do Mondego, o punhal de chanfradura, de tradição meridional calcolítica, permite admitir que o curso inferior da bacia do Vouga foi uma zona charneira no encontro de diferentes tradições culturais, durante o III milénio a.C. A composição química dos objectos metálicos, determinada por espectrometria de fluorescência de raios X, contribui para a caracterização das primeiras produções metalúrgicas na fachada ocidental Centro – Norte do país, bem como a sua contextualização na arqueometalurgia peninsular.
TypePoster
URIhttp://hdl.handle.net/1822/16981
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:DH - Comunicações Orais ou Posters em Encontros Científicos/Oral Papers and Posters in Meetings

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Cruz & Bettencourt 2010. Poster.pdf1,01 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID