Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/12657

Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSilva, Carla-
dc.contributor.authorFerreira, Cláudia-
dc.contributor.authorCarvalho, Graça Simões de-
dc.date.accessioned2011-06-29T14:38:39Z-
dc.date.available2011-06-29T14:38:39Z-
dc.date.issued2011-05-
dc.identifier.isbn978-989-8170-20-0-
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1822/12657-
dc.description.abstractO ensino da genética tem vindo a ser centrado no paradigma do determinismo genético, em que grande ênfase é dada à função do genótipo sobre a produção das características fenotípicas. No presente estudo comparamos a abordagem da Genética Humana nos manuais do ensino básico e secundário de Portugal e de França (nas faixas etárias entre os 14-15 anos e os 17-18 anos) no que diz respeito ao tipo de doenças genéticas aí citadas, enquadrando-as em três categorias – doenças génicas, doenças cromossómicas e doenças genéticas multifactoriais – e analisando ainda até que ponto a influência do ambiente é referida explicitamente para a expressão fenotípica das doenças genéticas multifactoriais. Os manuais portugueses dão mais ênfase às doenças génicas (hemofilia, daltonismo), enquanto que os manuais franceses referem mais frequentemente doenças genéticas multifactoriais (diabetes). Para além disso, ao longo de todas as faixas etárias, nos manuais franceses são explicitadas referências ao efeito do ambiente no surgimento/desenvolvimento das doenças, enquanto que nos manuais portugueses, esses exemplos aparecem apenas no 11º e 12º anos. Um aspecto importante a reter nos manuais portugueses é o facto de os de Psicologia (40% de ocorrências) do 12º ano darem muito mais ênfase do que os manuais de Biologia (5%) à influência do ambiente no surgimento/desenvolvimento de doenças genéticas multifactoriais, evidenciando a diferença de paradigmas em que se fundamenta o ensino destas duas disciplinas. Este é um aspecto importante em termos de educação e promoção da saúde, uma vez que se a doença genética é apresentada como um determinismo genético, sem influência do ambiente, o indivíduo pouco ou nada pode fazer para manter e/ou melhorar a sua saúde. Pelo contrário, caso sejam dadas indicações da influência do ambiente na activação e na repressão das doenças genéticas multifactoriais, então a pessoa pode procurar melhorar o seu estilo de vida de forma a evitar as condições propícias ao surgimento/desenvolvimento da doença, contribuindo assim para a promoção da sua saúde.por
dc.description.sponsorshipEuropean project FP6 “Biohead-Citizen” CIT2-CT-2004-506015por
dc.description.sponsorshipFundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) - CIFPEC/CIEC - unidade de investigação 644/317por
dc.language.isoporpor
dc.publisherAssociação para a Investigação e Desenvolvimento Sócio-Cultural (AGIR)por
dc.relationinfo:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876-PPCDTI/65224/PT-
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectAnomalias genéticaspor
dc.subjectDeterminismo genéticopor
dc.subjectManuais escolarespor
dc.subjectEstudo comparativopor
dc.titleDoenças genéticas e determinismo genético em manuais escolares : comparação entre Portugal e Françapor
dc.typeconferencePaper-
dc.peerreviewedyespor
sdum.publicationstatuspublishedpor
oaire.citationConferenceDate28-29 Maio 2010por
oaire.citationStartPage294por
oaire.citationEndPage309por
oaire.citationConferencePlaceChavespor
oaire.citationTitleSaúde, Cultura e Sociedadepor
sdum.conferencePublicationSaúde, Cultura e Sociedadepor
Appears in Collections:CIEC - Textos em atas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Agir_Genetica-Pt+Fr.pdfArtigo242,82 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID