Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/10047

TítuloAntecedentes, dinâmica e consequentes do desenvolvimento vocacional na infância
Outro(s) título(s)Antecedents, dynamics and consequents of vocational development in childhood
Autor(es)Araújo, Alexandra Maria Dantas de Castro
Orientador(es)Taveira, Maria do Céu
Palavras-chaveDesenvolvimento vocacional
Infância
Ajustamento académico
Ajustamento psicossocial
Vocational development
Childhood
Academic adjustment
Psychosocial adjustment
Data3-Dez-2009
Resumo(s)Actualmente, o desenvolvimento vocacional é caracterizado como um processo de ciclo-vital, influenciado por factores pessoais e contextuais. Não obstante ser evidente que as bases da exploração e da aprendizagem vocacional se formam durante a infância, são escassos os estudos que focam os primeiros anos de vida naquele domínio, comparativamente com o que é verificado para a adolescência e vida adulta. Esta investigação pretende contribuir para o aprofundamento das questões do desenvolvimento vocacional na infância, procurando colmatar algumas lacunas encontradas ao nível da teoria e da investigação a este respeito. Assim, no capítulo do enquadramento conceptual, analisam-se criticamente as teorias que contribuem para descrever e explicar indicadores de desenvolvimento vocacional na infância, oferecendo-se igualmente uma sistematização dos resultados da investigação associada. Além disso, apresenta-se o potencial da perspectiva contextualista desenvolvimentista para a integração de ideias, conceitos e resultados neste domínio, bem como para a orientação e definição de planos de estudo, focando os primeiros anos de vida. No segundo capítulo, apresenta-se e discute-se a metodologia geral de uma investigação com carácter longitudinal conduzida junto de uma amostra de 117 crianças de ambos os sexos (52.1% rapazes e 47.9% raparigas), com idades compreendidas entre os 5 e os 6 anos (M=5.86; DP=0.35), a frequentar contextos pré-escolares públicos, em contextos sócio-geográficos rurais, no norte do país (59.6%) e urbanos, no sul do país (40.2%). O plano de observação contemplou dois momentos: o Tempo 1, no ensino pré-escolar (ano lectivo de 2004/2005), e o Tempo 2, no 1º ano do Ensino Básico (ano lectivo 2005/2006). No Tempo 1, foram recolhidas medidas de exploração orientada para o self e para o meio das crianças, na perspectiva dos educadores de infância (LVPEI; Lista de Verificação para o Profissional de Educação de Infância – Indicadores e Competências de Desenvolvimento Vocacional; Araújo & Taveira, 2000, 2003) e da própria criança (TGES; Tarefa Guiada de Exploração do Self “Como é que Eu sou?”, Araújo, Taveira, & Lemos, 2004; e GEC; Grelha de Entrevista à Criança – Indicadores e Competências de Desenvolvimento Vocacional, Araújo & Taveira, 2000, 2002). Além disso, foram obtidas medidas de ajustamento académico, junto das crianças (TICL; Teste de Identificação de Competências Linguísticas; Viana, 2004). No Tempo 2, foram obtidas medidas de avaliação da exploração orientada para o self e para o meio das crianças, na tripla perspectiva dos pais (Guião de Entrevista), das próprias crianças (TGES; Araújo, Taveira, & Lemos, 2004; GEC; Araújo & Taveira, 2000, 2002), e também, junto dos seus professores de primeiro ciclo (LVPEI; Araújo & Taveira, 2000, 2003). Além disso, foram obtidas medidas de ajustamento psicossocial da criança, junto dos pais (ICCP; Inventário de Competências Sociais e de Problemas de Comportamento em Crianças e Adolescentes; Fonseca, Simões, Rebelo, Ferreira, & Cardoso, 1994). Por último, os professores ofereceram também a sua perspectiva sobre as competências académicas das crianças (GOPEB-CDAA; Guião de Observação para o Professor do 1º ciclo do Ensino Básico – Competências de Desenvolvimento e Ajustamento Académico; Araújo & Taveira, 2006). O terceiro capítulo apresenta os resultados da investigação, relativos a quatro estudos empíricos relacionados: (i) caracterização de indicadores e antecedentes pessoais e contextuais do desenvolvimento vocacional na infância, na tripla perspectiva dos pais, profissionais de educação, e da própria criança; (ii) estudo das continuidades e descontinuidades da exploração vocacional, na transição ecológica entre o ensino pré-escolar e a escolaridade básica; (iii) análise de relações entre indicadores de desenvolvimento vocacional e ajustamento académico e psicossocial na infância; e, (iv) estudo do efeito preditor da exploração no ajustamento psicossocial e académico, na infância. A análise destes resultados, discutida no quarto capítulo, mostra que os pais caracterizam favoravelmente as crianças em termos da sua competência relacional, percepção de competência no trabalho, orientação para o trabalho escolar, e desenvolvimento de preferências e actividades escolares, de lazer, sociais, e domésticas. Os professores, por seu turno, apresentam uma perspectiva positiva, mas indiferenciada, da exploração vocacional das crianças. Por fim, as crianças revelam capacidade para procederem a uma descrição de si com base em elementos referentes a um self público e a um self privado. No que respeita a exploração orientada para o meio, as crianças demonstram possuir uma perspectiva mais realista do que era esperado, tanto sobre o mundo do trabalho, como sobre os benefícios da realização escolar. E, são capazes de identificar preferências articuladas com os contextos escolar e extra-escolar. Registam-se diferenças estatisticamente significativas nos resultados da exploração entre grupos de crianças, em função do sexo de pertença, contexto sócio-geográfico de residência e nível sócio-cultural da família. O estudo da progressão desenvolvimental destas crianças evidencia a existência de continuidade na exploração vocacional, tendo-se registado, no entanto, mudança na quantidade de informação obtida e aprendida acerca do mundo de trabalho. Finalmente, verificam-se correlações positivas elevadas entre os indicadores de desenvolvimento vocacional, e os indicadores de ajustamento académico e de ajustamento psicossocial, na infância. Por seu turno, as análises da associação entre a exploração vocacional e o ajustamento académico e entre a exploração vocacional e o ajustamento psicossocial, no tempo 1, e no tempo 2, evidenciam a função preditora da exploração vocacional, apenas no que respeita o ajustamento académico no Tempo 2, no 1º ano do Ensino Básico. Na conclusão, refere-se a importância deste estudo para o desenvolvimento da teoria vocacional e a necessidade de prosseguir com a investigação do desenvolvimento vocacional na infância numa perspectiva contextualista.
Nowadays, vocational development is presented as a life-cycle process, which is influenced by personal and contextual variables. In spite of the evidence that career exploration and learning are based in childhood, very few studies have focused on the first years of life in this domain, comparing with the observed for adolescence and adulthood. This investigation aims to contribute for the deepening of the knowledge on children’s career development, and overcome some theoretical and empirical gaps in its study. Thus, the first chapter offers a critical review of theory, in order to present theoretical perspectives which have helped to describe and explain vocational development in childhood, and also systematizes research results which derived from or are associated to these perspectives. Furthermore, the potential of adopting a developmental-contextual approach for the integration of ideas, concepts, and results in this domain, as well as to guide the definition of research plans in childhood, is presented. The second chapter of this dissertation is dedicated to present the general methodology of a longitudinal investigation, conducted with a sample of 117 children (52.1% boys and 47.9% girls), with ages between five and six years old (M=5.86; DP=0.35), attending public pre-school facilities, in rural and northern (59.6%) and urban and southern social-geographic contexts. The observation plan was composed by two assessment moments: Time 1, in pre-school (2004/2005) and Time 2, in the first grade of elementary school (2005/2006). Measures of the children’s self exploration and exploration of the occupational world were collected in Time 1, as presented by the pre-school teachers (LVPEI; Lista de Verificação para o Profissional de Educação de Infância – Indicadores e Competências de Desenvolvimento Vocacional; Araújo & Taveira, 2000, 2003) and the children (TGES; Tarefa Guiada de Exploração do Self “Como é que Eu sou?”, Araújo, Taveira, & Lemos, 2004; e GEC; Grelha de Entrevista à Criança – Indicadores e Competências de Desenvolvimento Vocacional, Araújo & Taveira, 2000, 2002). In addition, the children’s academic adjustment was also directly assessed in Time 1 (TICL; Teste de Identificação de Competências Linguísticas; Viana, 2004). In Time 2, measures of children’s self exploration and exploration of the occupational world were obtained from the parents (semi-structured interview), the children (TGES; Araújo, Taveira, & Lemos, 2004; GEC; Araújo & Taveira, 2000, 2002), and their elementary teachers (LVPEI; Araújo & Taveira, 2000, 2003). The children’s psychosocial adjustment was also assessed, as reported by parents (ICCP; Inventário de Competências Sociais e de Problemas de Comportamento em Crianças e Adolescentes; Fonseca, Simões, Rebelo, Ferreira, & Cardoso, 1994). Finally, the elementary teachers offered their perspective on the children’s academic skills and adjustment (GOPEB-CDAA; Guião de Observação para o Professor do 1º ciclo do Ensino Básico – Competências de Desenvolvimento e Ajustamento Académico; Araújo & Taveira, 2006). The third chapter presents the research results, which were organized in four related studies: (i) description of indicators and personal and contextual antecedents of vocational development in childhood, in the triple perspective of the parents, teachers, and children; (ii) the study of vocational development continuities and discontinuities, in the ecological transition from pre-school to elementary school; (iii) analysis of relations between vocational development and academic and psychosocial adjustment in childhood; (iv) and the study of the predictive effect of vocational exploration on academic and psychosocial adjustment, in childhood. Results, which are discussed in the fourth chapter, showed that parents present a positive perspective on their children’s relational skills, as well as of the children’s perceived competence to work, orientation towards school work, and development of school, leisure, social, and domestic preferences and activities. The teachers presented a positive, but undifferentiated view on the children’s vocational exploration. Finally, children were able to describe themselves in terms of a public and private self. Regarding exploration of the occupational world, children evidenced a more realistic perception than predicted about the professional world, as well as of the benefits of schooling. It was also revealed that children were able to identify preferences related to school and leisure contexts. The results point to statistically significant differences between the children’s vocational exploration results, based on the child’s sex, his/her social-geographic context, and the family’s social-cultural level. The study of the developmental progression of vocational exploration from pre-school to elementary school evidenced continuity in the majority of vocational development results, and discontinuity or change in the children’s level and quantity of occupational knowledge. Finally, the results show strong positive correlations between vocational exploration and academic and psychosocial adjustment, in childhood. The analyses of associations between these variables, in Time 1, and in Time 2, revealed that vocational exploration exerts a predictive function over academic adjustment in Time 2, in the first grade of elementary school. The Conclusions chapter presents a discussion on the importance of this study for future career theory development. This dissertation finishes with comments on the need to follow this inquiry line on children’s vocational development, from a developmental-contextual perspective.
TipodoctoralThesis
DescriçãoTese de doutoramento em Psicologia (área de especialização em Psicologia Vocacional)
URIhttp://hdl.handle.net/1822/10047
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:BUM - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
tese.pdf3,65 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis