Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/6693

TitleDiferenças de estilos de vida entre populações jovens de meio rural (Boticas) e de meio urbano (Braga)
Author(s)Gonçalves, Artur
Carvalho, Graça Simões de
KeywordsEstilos de vida
Promoção da saúde
Jovens urbanos
Jovens rurais
Issue date16-May-2007
PublisherUniversidade do Minho. Instituto de Estudos da Criança (IEC)
CitationPEREIRA, B. ; CARVALHO, G. S. ; PEREIRA, V., ed. lit. – “Novas realidades, novas práticas : actas do Seminário International de Educação Física, Lazer e Saúde, 3, Braga, Portugal, 2007” [CD-ROM]. Braga : Instituto de Estudos da Criança da Universidade do Minho, 2007.
Abstract(s)Os Estilos de Vida, como maneiras de agir pensar e sentir, constituíram-se como o cerne desta investigação em virtude de serem as traves mestras da vida e da acção humana e, simultaneamente uma importante alavanca na construção e promoção da saúde. O objectivo do presente estudo é demonstrar se há diferenças significativas nos modelos de Estilos de Vida das populações jovens de meio rural, Boticas, e de meio urbano, Braga, em domínios como: alimentação, higiene, segurança, conforto, lazer, atitudes perante o sexo seguro, bem-estar, ambiente, água, níveis de satisfação, recursos económicos, perspectivas de vida. Da análise aos resultados sobressai que no âmbito dos Estilos de Vida, a dicotomia Rural–Urbano é significativa em diversos parâmetros analisados. No confronto entre as duas populações estudadas para o campo dos valores, nas variáveis em estudo e nas categorias que as constituem, os jovens rurais expressam níveis superiores de resistência na adesão a novas tendências e mantêm-se num plano mais tradicionalista, conservador e de censura ao incumprimento da norma, enquanto que os jovens urbanos são mais flexíveis e apresentam maior grau de aceitação e de incorporação do novo. As duas realidades apresentam um conjunto concepções sobre os Estilos de Vida bastante diferenciado, o qual indicia a existência de matrizes cognitivas, valorativas e das suas práticas substancialmente diferentes no processo de adaptação ao meio ecossistémico onde actuam. Assim, os Estilos de Vida (EV) ou concepções de vida seguem o modelo KVP (Clément, 2004; 2006), sendo no caso presente EV = f (KVP). Os EV são função dos Conhecimentos (K – knowledge) que se traduzem pela literacia, metacognição e capacitação, dos Valores (V) entendidos como princípios e normas tidos como positivos pelo conjunto da sociedade ou por comunidades particulares e restritas e que regem a conduta e das Práticas sociais (P) vistas como o processo de aplicação à vida quotidiana social e profissional.
TypeConference paper
URIhttps://hdl.handle.net/1822/6693
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CIEC - Textos em atas
DCILM - Livros de Actas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Estilos de vida.pdfArtigo419,7 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID