Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/36847

TitleO que é uma universidade católica? Estudo sociológico sobre o ensino de economia e gestão na Universidade Católica Portuguesa
Author(s)Costa, António Joaquim Brito Figueiroa Jardim
KeywordsUniversidade Católica
Estudo sociológico
Issue dateNov-2014
PublisherUniversidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS)
Abstract(s)(Excerto) Um artigo de 1996, Maroy et al., estudava este tipo de mercado na Bélgica da época (já antes, em 1984, Rouleau tinha estudado algo semelhante no Quebeque, com conclusões parecidas, embora menos sistematizadas). O retrato obtido foi, pelo menos à primeira vista, contra-intuitivo: por um lado, baixavam os números relativos a prática religiosa, clérigos, religiosos e religiosas; por outro, aumentavam os dos serviços oferecidos por aquelas instituições, bem como o dos seus profissionais. Claro que se tratava, na maioria, de profissionais leigos contratados e disputados no mercado de trabalho em virtude de qualificações não religiosas. Como a clientela em geral pouco se preocupasse com a origem religiosa, ou não, dos serviços a que recorria, as organizações “cristãs”, pressionadas pela concorrência, tendiam a destacar na imagem pública, acima de tudo, a qualidade que ofereciam a nível de equipamentos, pessoal e seriedade. Em tal contexto, a referência cristã constituía uma marca valiosa no mercado, usada com o cuidado de se declarar aberta a utentes de todos os credos, sem discriminações. Como era de esperar, nas áreas de maior pendor técnico, as instituições cristãs, em termos de quotidiano, praticamente não se distinguiam das suas congéneres não cristãs. As próprias expressões cultuais da fé – oração em comum, eucaristia, etc. – eram escassas e discretas, em nome de um pluralismo respeitador de todos, inclusive do pessoal interno, cujo recrutamento, além de técnico, era aferido por referências morais e não por certificados de confessionalidade (as excepções eram os mais altos cargos da hierarquia e os encarregados da acção pastoral); como a boa moral e a boa ética profissional são compatíveis com os valores cristãos, no fundo, qualquer bom profissional poderia ser recrutado. Assim se fazia “cultura de empresa” naquelas instituições.
TypeBook
URIhttps://hdl.handle.net/1822/36847
ISBN978-989-8600-24-0
Publisher versionhttp://www.lasics.uminho.pt/ojs/index.php/cecs_ebooks/article/view/1960/1884
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Livros e capítulo de livros / Books and book chapters

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JC_universidade-catolica.pdfE-book1,58 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID