Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/34585

TitleParentalidade: uma construção na interação
Author(s)Martins, Cristina Araújo
KeywordsParentalidade
Transição
Enfermagem
Issue date2012
PublisherUniversidade de Lisboa
Abstract(s)Pese embora todas as transições sejam responsáveis por alterações nas vidas dos indivíduos e tenham implicações importantes na sua saúde e bem-estar, tornar-se pai ou mãe é uma transição especialmente crítica porque é permanente e o grau de sucesso com que é realizada tem implicações não só na saúde dos próprios Pais como também na saúde e desenvolvimento das respetivas crianças. Este estudo procurou compreender como se desenvolve a transição para o exercício da parentalidade durante os primeiros seis meses de vida da criança. O conhecimento e a compreensão destas experiências parentais são fundamentais para os enfermeiros poderem apoiar os Pais na busca de uma transição bem-sucedida. É parte dos resultados da tese de doutoramento que investigou a experiência de casais que vivenciam o primeiro ano de exercício parental. Utilizou como referencial metodológico a Grounded Theory e contou com a participação de cinco casais participantes. Os dados foram obtidos através de entrevistas semiestruturadas e observação participante. Apresenta a categoria central encontrada – Ser pai, ser mãe: um processo em construção na interação – que encapsula o processo de mudança experienciado por homens e mulheres quando de tornam Pais, utilizando o Paradigm Model de Strauss e Corbin (2008), que especifica a condição causal, o contexto, as ações e interações levadas a cabo em resposta ao fenómeno, as condições intervenientes que apoiaram ou inibiram as ações e interações realizadas, e as consequências das ações e interações tomadas. Os resultados refletem que os Pais são confrontados com uma vida pessoal e familiar que se dissipa e dá lugar a um novo quotidiano de cuidado ao bebé, em que novos papéis e rotinas têm que ser assumidos, exigindo aprendizagem constante e profunda reconstrução de si próprios. As exigências de cuidados a um bebé são grandes e os Pais nem sempre estão preparados para superar as profundas mudanças. Demonstram abalo na sua identidade e sentem muitas perdas antes dos benefícios se tornarem evidentes. Tornar-se pai ou mãe interfere na sua rede social e relações. Desgaste, cansaço e saturação estão presentes, especialmente nas mães, demonstrando que a intervenção do enfermeiro é necessária. Esta é uma fase especial, repleta de emoções e sentimentos ambivalentes, que marca uma nova etapa e condição de vida, construída e reconstruída na relação que estabelecem com o filho. O processo é considerado compensador, embora difícil e gradual, e evidencia como os Pais são levados a uma polarização de papéis de género que define e constrói o significado de ser “boa” mãe/“bom” pai, esposa/marido, mulher/homem, representando ou personificando um papel materno ou paterno socialmente construído. Permite-nos equacionar a importância de medidas formais e informais de apoio à família implementadas pelos enfermeiros, no período pré e pós-natal, que visem minimizar as experiências de tensão dos Pais, dotá-los de habilitações necessárias à parentalidade e criar oportunidades para discutirem e refletirem sobre as suas necessidades, dúvidas e dificuldades. Estas estratégias de ajuda parental não devem ter apenas em conta os Pais como indivíduos, mas incluir o seu contexto social e relacional.
TypeOral presentation
DescriptionApresentação efetuada no "Encontro de Doutorandos em Enfermagem da Universidade de Lisboa 2012", Lisboa, 2012
URIhttps://hdl.handle.net/1822/34585
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:ESE-CIE - Comunicações / Communications

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Parentalidade_uma construção na interação.pdfComunicação apresentada no Encontro de Doutorandos em Enfermagem da Universidade de Lisboa 20123,27 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID