Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/1822/29489

TitleO território – entre – o mapa e a travessia: estudo da linha-limite entre Braga e Viana do Castelo
Author(s)Castro, Mónica Alexandra Delgado
Advisor(s)Riso, Vincenzo
Azevedo, Ana Francisca de
Pereira, Daniel Duarte
Issue date2014
Abstract(s)A ideia que inicialmente motiva este trabalho de investigação assenta na simplificação e semelhança gráfica imposta pela cartografia normativa, resultando representações abstractas difíceis de identificar com os lugares reais. Esta problemática incita, por um lado, uma pesquisa historicamente desconstrutiva sobre a prática cartográfica, avaliando os sucessivos processos e códigos de que se apropriou para transformar a realidade de forma a conseguir ser lida e incorporada no mapa; Por outro, é introduzida a acção de caminhar como uma ferramenta que possibilita, por si só, uma aproximação e um tipo de leitura e conhecimento directo, minucioso e complexo de um lugar, mas também, na sua relação com o mapa, confirmando, reprovando e complementando, ao percorrer a realidade, as informações que fornece. O contraste entre a escala cartográfica e pedonal será explorado através de um exercício de atravessamento concreto – a actual linha de fronteira entre os distritos de Braga e Viana do Castelo, uma linha que à partida só existe no mapa, mas que, caminhando sobre ela no território real, pode adquirir espessuras que comprovam a sua existência e que compreendem os motivos do seu traçado, aparentemente abstracto no mapa. Para concretizar a linha de pensamento exposta o trabalho divide-se em quatro partes: a primeira incorpora quatro capítulos e corresponde a uma pesquisa teórica que explora, por um lado, os processos inerentes à construção de um mapa e, por outro, as múltiplas relações que o homem estabeleceu com o território a partir do atravessamento pedonal, de forma a reunir as ferramentas que a acção de caminhar oferece para explorar e conhecer o território. Depois de contextualizadas teoricamente as duas escalas, introduz-se o exercício prático de atravessar a linha-limite na parte II, estruturada em três capítulos, começando por apresentar o caso de estudo e definir uma estratégia para a sua análise/acção, passando por explicar a concretização do percurso e, por fim, ler e interpretar in situ os motivos para o traçado da linha-limite. O mapa é enquadrado quer na preparação/execução do percurso quer na descodificação da passagem da linha no território real, praticando constantemente o território a partir do percurso e do mapa. Por fim, na terceira parte estabelecem-se conclusões e reflexões sobre os temas abordados e, na última parte apresentam-se as referências bibliográficas e os anexos, onde se incorpora um arquivo do território a partir de situações captadas pelo caminhante durante o atravessamento e organiza-se um dossier com documentação referente à prática do caminhar.
The idea that initially promotes this investigation relies on the simplification and graphical resemblance imposed by the mapping rules, resulting in abstract representations, difficult to identify with the real places. This problem incites on the one hand, a historically deconstructive research of the cartographic practice, evaluating the successive processes and codes used to transform reality in order to be readable and built-in the map; On the other, the action of walking is introduced as a tool that allows, by itself, an approach and a direct, detailed and complex reading and knowledge of a place, but also in its relationship with the map, confirming, reproving and completing, by crossing the reality, the information it provides. The contrast between the cartographic and pedestrian scale will be explored through a real walking exercise - exploring the current boundary line between the districts of Braga and Viana do Castelo, a line which initially only exists on the map. But walking on it in the real territory allows it acquire thicknesses, proving its existence and informing the motives of its layout, apparently abstract on the map. To materialize the line of thought exposed, the dissertation is divided into four parts: the first one incorporates four chapters and corresponds to a theoretical research that explores, on the one hand, the necessary processes to construct a map, and, on the other, the multiple relationships man has established with the territory from the pedestrian crossing, in order to gather the tools that the action of walking offers to explore and know the territory. After a theoretical contextualization of the two scales, we introduce the practical exercise of crossing the limit-line in Part II, structured in three chapters, beginning with the presentation of case study and setting a strategy for its analysis/action, then explaining the realization of the path, and finally, reading and interpreting the reasons for the limit-line layout. The map is used either in the preparation/realization of the route, either in the process of decoding the passage of the line in the actual territory. In this way, the walking exercise constantly practices the territory from the route and the map. Finally, in the third part are established conclusions and reflections on the topics addressed and, in the last part, we present the references and attachments, where an archive includes situations from the crossed territory, captured by the walker during the traversing, and is organized a dossier containing documentation related to the practice of walking.
TypeMaster thesis
DescriptionDissertação de mestrado integrado em Arquitectura (área de especialização em Cidade e Território)
URIhttps://hdl.handle.net/1822/29489
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Dissertações de Mestrado
EAAD - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE MESTRADO_mónica castro_2014.pdf364,56 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID