Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/24567

TítuloCartografia, geografia e poder: o processo de construção da imagem cartográfica de Portugal, na segunda metade do século XVIII
Autor(es)Moreira, Luís Miguel Alves de Bessa
Orientador(es)Garcia, João Carlos
Bandeira, Miguel Sopas de Melo
Data22-Abr-2013
Resumo(s)Durante a Idade Moderna, as imagens cartográficas criadas em Portugal foram, quase sempre, manuscritas e produzidas em contextos de guerra ou de confronto geopolítico. Por esta razão, os mapas eram considerados documentos ultra-secretos, acessíveis apenas a alguns (militares, políticos, diplomatas, governadores). Deste modo, até ao século XVIII, eram raros os mapas impressos em Portugal e por isso as elites nacionais eram compelidas a usar mapas estrangeiros, ou de autores portugueses mas editados no estrangeiro. Na segunda metade do século XVIII, o Governo português, sob a liderança do Marquês de Pombal, promoveu o reforço do poder absoluto da Coroa e a centralização da administração. Tudo isso implicou a realização de várias reformas políticas, administrativas, económicas, militares e científicas, a fim de promover o desenvolvimento geral do país em áreas como agricultura, indústria, comércio, estradas, canais, etc. Para realizar esta missão, os políticos e os técnicos (militares, engenheiros, arquitectos, ...) necessitavam de mapas atualizados do território. Juntamente com esta produção nacional, geógrafos, cartógrafos, editores, gravadores e vendedores de mapas estrangeiros, produziam continuamente imagens cartográficas de Portugal. Estes materiais cartográficos impressos e publicados no exterior foram adquiridos pelas elites portuguesas usando-os não apenas como objetos de conhecimento, mas também como uma base para decisões políticas, administrativas e militares, transformando estes mapas em cartografia "oficial" do Estado. Neste estudo pretende-se confrontar os diferentes mapas de Portugal: quais são as principais características, as fontes principais, o contexto histórico, suas finalidades e usos, etc. A sua análise permitirá, por um lado, fazer uma leitura geohistórica de Portugal ao longo de toda a segunda metade do século XVIII e, por outro, reconstituir o processo de construção da imagem cartográfica de Portugal por autores estrangeiros. Desta forma, tentaremos perceber de que forma a cartografia de Portugal produzida no estrangeiro era aceite e lida pelos portugueses.
During the Modern Age Portugal’s cartographical images were almost all manuscript and created in contexts of war and/or geopolitical confrontation. For this main reason, maps were top secret documents and only a few (militaries, politicians, diplomats, governors…) had access to them. The wide majority of the population was cartographically unaware… As a direct result, before the 18th century, maps printed in Portugal were scarce and that is why Portuguese elites were compelled to use either foreign maps or maps from Portuguese authors but published abroad. In the second half of the 18th century, the Portuguese government under the leadership of the Marquis of Pombal promoted the reinforcement of the Absolute Power of the Crown and the centralization of the Administration. All this implied several political, administrative, economical, military and scientific reforms, in order to promote the general development of the country in areas such as agriculture, industry, commerce, roads, canals, etc. To carry on this mission both politicians and technicians (militaries, engineers, architects,…) needed updated maps of the territory. Together with this national production, foreign geographers, cartographers, editors, engravers and map sellers continuously produced cartographical images of Portugal. These cartographic materials printed and published abroad were acquired by Portuguese elites using them not only as knowledge objects but also as a foundation for political, administrative and military decisions, transforming these maps into “official” State cartography In this study I intend to confront the different maps of Portugal: what the main characteristics are, main sources, historical context, their purposes and uses, etc., in order to clarify the process of constructing the national map of Portugal. The final outcome of these two contributions were maps that depicted the country as it was seen by foreigners but also reflected some changes as they were adapted to be used by the Portuguese public. In short, for a long period of time, Portugal’s national cartographic identity relied on how others represented the country. Since early times the Portuguese got used to see their own country through the eyes of foreigner cartographers.
TipodoctoralThesis
DescriçãoTese de doutoramento em Geografia (área de especialização em Geografia Humana)
URIhttp://hdl.handle.net/1822/24567
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CEGOT - Teses de Doutoramento
BUM - Teses de Doutoramento
GEO - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Luís Miguel Alves de Bessa Moreira.pdf39,59 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis