Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/3980

TitleEducação para a saúde na escola : um direito dos alunos que urge satisfazer
Author(s)Precioso, José
KeywordsEducação para a saúde
Promoção da saúde
Escolas promotoras da saúde
Formação de professores
Issue date2004
Citation"O Professor". 85 (2004) 17-24.
Abstract(s)Os estudos epidemiológicos revelam que muitas das doenças transmissíveis como a SIDA e a tuberculose e não transmissíveis, como as doenças cardio e cerebrovasculares, alguns cancros (como os pulmão, da mama, do estômago, do cólon e do útero), a diabetes mellitus, a doença obstrutiva crónica do pulmão, a cárie dentária, as doenças reumáticas, a osteoporose, os problemas de visão, a se do fígado, os acidentes (domésticos, de lazer, desporto, de trabalho e de trânsito), as doenças Psiquiátricas e outras patologias e incapacidades, estão frequentemente relacionadas com o estilo de das pessoas. Os factores de risco associados a muitas destas doenças são o consumo de álcool e de tabaco, a alimentação desregrada. O excesso de peso e a obesidade a insuficiente actividade física, a má gestão do stress. O abuso das drogas, bem como a factores de natureza socioeconómica geradores de fenómenos de violência e exclusão social (Ministério da Saúde, 2003). A modificação dos estilos de vida, no qual se incluem os comportamentos de saúde, exige a compreensão da sua etiologia. Sabe-se que os comportamentos estão relacionados com factores biológicos, psicológicos, micro e macrossociais e ambientais. A etiologia dos comportamentos em geral e de saúde em particular é complexa o que faz com que a promoção de condutas saudáveis e a modificação de comportamentos perniciosos seja também um processo difícil, não obstante, concretizável. Uma das vias mais promissoras para promover a adopção de comportamentos saudáveis e a modificação de condutas prejudiciais à saúde e de forma sustentada, é a Educação para a Saúde (EpS). A EpS deve ser um direito de todos os cidadãos em qualquer fase da sua vida. Deve começar na família, prolongar-se por todas as fases do sistema educativo (desde o básico até ao universitário), continuar no local de trabalho, na comunidade, nos media, etc. A escola é um dos locais privilegiados para fazer Educação para a Saúde, por esse motivo, a OMS e outras instituições como a UNESCO, recomendam que a saúde se deve aprender nos estabelecimentos de ensino da mesma forma que todas as outras ciências sociais. Tal como o aluno aprende na escola os conhecimentos científicos e os hábitos sociais que lhe permitirão enfrentar os problemas da vida na comunidade, também deve aprender e adquirir os conhecimentos e os hábitos de saúde, que lhe permitirão alcançar o maior grau possível de saúde, física, mental e social (Sanmarti, 1988). Para promover a saúde e a educação para a saúde é decisivo fazer, igualmente, modificações ambientais. A via mais adequada para promover a saúde e a educação para a saúde é através da «construção» de Escolas Promotoras de Saúde. Portugal aderiu a Rede Europeia de Escolas Promotoras de Saúde em 1994 (Ministério da Educação,1998) o que significou um avanço na Promoção da Saúde de toda a comunidade educativa, no entanto parece que actualmente essa dinâmica está a esmorecer. Por outro lado parece emergir uma visão reducionista que pretende reduzir a Educação para a Saúde a educação sexual, propondo-se até a criação de uma disciplina autónoma, quando a sexualidade é apenas um componente da Educação para a Saúde. Neste artigo procuraremos definir algumas linhas orientadoras para a criação de uma escola mais promotora de saúde, ou seja uma escola que ensine os alunos a tratarem deles, dos outros e do seu ambiente.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/3980
Peer-Reviewedno
AccessOpen access
Appears in Collections:CIEd - Outros documentos/Other documents

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Educação para a Saúde (pp.17-24).pdf830,93 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID