Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/2374

TitleDesenho de um meio diferencial para detecção da levedura de contaminação alimentar Zygosaccharomyces bailii
Author(s)Schuller, Dorit Elisabeth
Côrte-Real, Manuela
Leão, Cecília
Issue date1997
Abstract(s)Zygosaccharomyces bailii é uma levedura frequentemente associada a problemas de contaminação alimentar dada a sua capacidade de sobreviver a ambientes ácidos na presença de ácidos orgânicos fracos normalmente utilizados como preservativos químicos. Com vista a desenvolver um meio diferencial para Z. bailii recorreu-se a uma colecção de leveduras isoladas preferencialmente de vinhos contaminados. Assim as estirpes seleccionadas para este estudo diferem na sua origem e resistência a preservativos ácidos e pertencem espécies de Pichia membranaefaciens, Pichia anomala, Torulaspora delbrueckii, Dekkera anomala, Dekkera bruxellensis, Debaryomyces hansenii, Saccharomycodes ludwigii, Issatchenkia orientalis, Kluyveromyces marxianus, Kloeckera apiculata, Lodderomyces elongisporus, Schizosaccharomyces pombe, Rhodotorula mucilaginosa, Saccharomyces cerevisiae, Saccharomyces pastorianus, Saccharomyces bayanus, Zygosaccharomyces rouxii, Zygosaccharomyces florentinus and Z. bailii. O desenho do meio de cultura baseou-se na diferente capacidade de crescimento, que as diferentes espécies de levedura apresentam em meio mineral simples (ácido carboxílico fraco) ou misto (açúcar e ácido carboxílico fraco) como única fonte de carbono e energia. Quando os ensaios foram conduzidos num meio líquido simples a maior parte das estirpes apresentou capacidade de utilizar pelo menos um um dos vários ácidos carboxílicos testados. A natureza do ácido e a sua concentração bem como a manipulação do pH do meio, associada à incorporação de um indicador ácido-base, permitiu seleccionar condições em que somente as estrpes de Z. bailii originavam variação de cor do meio (resposta positiva). Contudo, esta resposta só foi observada após 115 a 168 h. Quando se utilizou o meio misto, em todas as estirpes de Z. bailii strains observou-se resposta positiva após um periódo de tempo consideravelmente mais reduzido (cerca de 48 h) quando comparado com o meio simples para a mesma densidade de inóculo e para as mesmas condições de incubação. Utilizando quer microplacas quer meio sólido procedeu-se, de seguida, ao teste deste meio misto com as outras espécies da colecção. Em ambos os casos somente as espécies de Z. bailii strains apresentaram resposta positiva durante as primeiras 48 h de incubação. Concluímos que este meio misto apresenta-se como um meio diferencial, para distinguir Z. bailii de outras leveduras de contaminação, com potencial aplicação prática no controlo microbiológico de alimentos e bebidas.
TypeAbstract
DescriptionResumo da comunicação oral apresentada no encontro científico "5as Jornadas de Biologia de Leveduras Professor Nicolau van Uden", em 1997, Viseu, Portugal.
URIhttp://hdl.handle.net/1822/2374
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:DBio - Comunicações/Communications in Congresses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1997-vanUden-Zygo-Abstract.pdf14,08 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID