Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/16971

TitleEscassez de água e seca na bacia hidrográficado Rio Sôrdo
Author(s)Machado, Maria Adelaide
Haie, Naim
Fernandes, Luís Filipe
Issue dateOct-2010
Abstract(s)A escassez de água e seca é um fenómeno característico do nosso país, com intensidade e efeitos variáveis no espaço e no tempo. A situação geográfica do território de Portugal é favorável à ocorrência de episódios de seca e deve ser encarado como um "elemento climático de determinada frequência". A bacia hidrográfica do Rio Sôrdo, alvo deste estudo, constitui a nível regional uma das grandes reservas de água para consumo humano e para produção de energia hidroeléctrica. Estima-se que o abastecimento pela barragem e captações subterrâneas chegue a aproximadamente 20.000 pessoas, 1/3 da população regional. Neste sentido, a importância do estudo do seu comportamento em momentos de seca prolongada como aconteceu em 2004/2005, torna-se especialmente importante, possibilitando que a bacia possa ser alvo de um planeamento integrado, minimizando os riscos e impactos de ruptura da mesma, bem como priorizando respostas ao fenómeno, nomeadamente ao nível da hierarquização de utilizações. O objectivo primordial do trabalho em curso, consiste em fazer uma análise dos fenómenos ocorridos durante o ano de 2005 na bacia hidrográfica do rio Sôrdo, nomeadamente ao nível de: precipitações ocorridas na bacia, cotas de armazenamento da Barragem do Sôrdo, volumes de distribuição, ocupação do solo, impactos económicos, ambientais, sociais entre outros. A análise dos dados obtidos até ao momento, permite fazer já algumas observações preocupantes, nomeadamente o facto de no ano hidrológico 2004/2005 a precipitação ocorrida na bacia ter sido, na média, 60% abaixo do normal. Este facto provocou alguns constrangimentos ao nível do planeamento dos recursos hídricos, uma vez que provocou uma diminuição de 54% no volume de água armazenado na barragem, num período de apenas 3 meses, reduzindo o potencial hidroeléctrico da mesma, uma vez que durante este período a cota da albufeira esteve abaixo do mínimo protocolado para a exploração hidroeléctrica. Esta análise reflectiu a pressão sobre a qual a bacia esteve sujeita, permitindo aferir as necessidades hídricas da mesma, em função das suas utilizações principais. Analisando a forma como as instituições portuguesas com responsabilidades no âmbito da gestão deste recursos actuaram nas respostas a este fenómeno, é elaborada uma metodologia de preparação para a seca, alterando o quadro institucional da forma de responder a este fenómeno, apoiada em dois vectores principais, o conhecimento técnico, através da criação de grupos técnicos permanentes e sazonais de monitorização da seca, e a responsabilização política, consubstanciada na produção legislativa das propostas oriunda dos grupos técnicos.
TypeconferencePaper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/16971
Peer-Reviewedyes
AccessopenAccess
Appears in Collections:C-TAC - Comunicações a Conferências Internacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1_Livro-Parte-I - Adelaide.pdf870,1 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis