Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/16670

TitleE se Portugal não tivesse aderido à União Económica e Monetária?
Author(s)Pinho, Manuel Joaquim das Neves Correia de
Advisor(s)Alexandre, Fernando
Conraria, Luís Aguiar
KeywordsAnálise contrafactual
Área monetária óptima
Crescimento económico
Inflação
Integração económica e monetária
Portugal
União Económica e Monetária
VAR
Counterfactual analysis
Economic growth
Economic and monetary integration
EMU
Economic growth
Inflation
Optimum currency area
Issue date2010
Abstract(s)Portugal assumiu, no início da década de 90, o desígnio de aderir à União Económica e Monetária (UEM) tendo em vista estimular o desenvolvimento da sociedade portuguesa e a estabilidade da sua economia. No quadro de um tal desígnio, a adesão à UEM, a partir de 1999, deveria contribuir para a convergência real e nominal com as principais economias da União Europeia. O objectivo da presente dissertação é o de contribuir para averiguar se a exclusão da UEM teria sido melhor caminho para alcançar aquele desígnio. Ou, dito de outro modo, o objectivo deste estudo é o de procurar uma resposta para a questão: E, se Portugal não tivesse aderido à UEM, como se teriam comportado o produto e a inflação? O método de investigação adoptado foi a realização de um exercício contrafactual comparando o que teria acontecido com o que aconteceu àquelas variáveis macroeconómicas. A realização deste exercício baseou-se na modelização da economia através do recurso a vectores auto-regressivos. Os resultados apontam para a conclusão de que a adesão de Portugal à UEM se traduziu em menor crescimento económico e menor inflação do que se Portugal não tivesse aderido. Simultaneamente, os resultados sugerem que Portugal parece não fazer parte de uma área monetária óptima com os seus parceiros da UEM.
Portugal took over in the early 90s the purpose of joining the Euro Area in order to stimulate the development of the Portuguese society and the stability of its economy. As part of such purpose, joining the Euro Area from 1999 was expected to ensure the real and nominal convergence with the main European Union economies. This study intends to contribute to the assessment of whether the exclusion of the Euro Area would have resulted in a more favourable path. Or, in other words, this study intends to provide an answer to the question: If Portugal had not joined the Euro Area, how would the economic growth and the inflation have behaved? This research carried out a counterfactual exercise comparing what would have happened to what happened to those macroeconomic variables. This exercise was accomplished by modelling the economy in the context of a vector autoregression approach. The conclusion suggests that entering the EMU resulted in lower economic growth and lower inflation than if Portugal had not joined. The results also lead to the conclusion that Portugal does not appear to be part of an optimum currency area.
TypeMaster thesis
DescriptionDissertação de mestrado em Economia
URIhttp://hdl.handle.net/1822/16670
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Dissertações de Mestrado
EEG - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese.pdf418,71 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID