Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/9851

Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorPedrosa, Maria Arminda-
dc.contributor.authorLeite, Laurinda-
dc.date.accessioned2009-12-09T11:41:03Z-
dc.date.available2009-12-09T11:41:03Z-
dc.date.issued2005-
dc.identifier.citationCONGRESO DE ENSINANTES DE CIÊNCIAS DE GALICIA, 18, Ribadeo, 2005 – “Actas do XVIII Congreso de ENCIGA” [CD-ROM]. [Ribadeo : Asociación dos Ensinantes de Ciencias de Galicia, 2005].por
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1822/9851-
dc.description.abstractÀs Metas de Desenvolvimento do Millennium (MDM), que reflectem as aspirações partilhadas e negociadas a nível global, estão associados diversos indicadores de que se destaca o indicador de desenvolvimento humano (IDH). Não pretendendo evidenciar uma imagem completa de estados de desenvolvimento humano, o IDH configura-se como um barómetro que, facultando medidas de variações de bem-estar humano e não se limitando a ponderar rendimentos, permite comparar progressos em diferentes países e regiões do mundo. É um indicador composto que pondera três dimensões: “rendimento, educação e saúde” (UNDP, 2005, p.21). O último relatório do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) revela enormes assimetrias e diferenças insustentáveis no acesso à educação, com cerca de 115 milhões de crianças sem acesso à mais elementar educação básica (UNDP, 2005). A maioria dessas crianças habita no sul da Ásia e na África, em países a sul do deserto do Sahara. O mesmo relatório revela, igualmente, que a duração média da frequência escolar aponta para o aumento do fosso entre países ricos e pobres (embora as diferenças no ensino básico elementar tendam a diminuir), como evidenciam as expectativas médias de escolarização de crianças nascidas actualmente num país africano (Moçambique) versus num europeu (França), respectivamente 4 e 15 anos (UNDP, 2005). Assim, a educação superior está ainda longe de constituir um direito, continuando antes a configurar-se como um privilégio de quem pode custeá-la, ou seja, maioritariamente um privilégio de cidadãos de países ricos. Como salientam as próprias Nações Unidas, “Estas desigualdades educativas de hoje são as desigualdades sociais e económicas globais de amanhã” (UNDP, 2005, p.24).por
dc.language.isoporpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.titleEducação em ciências e sustentabilidade na terra : uma análise das abordagens propostas em documentos oficiais e manuais escolarespor
dc.typeconferencePaperpor
dc.peerreviewednopor
Appears in Collections:CIEd - Textos em volumes de atas de encontros científicos nacionais e internacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Pedrosa LLeite, Educaçao en Ciencias, Ponencia.pdf304,65 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID