Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/7784

TitlePsychophysiological correlates of attachment organization : linear and non-linear analysis of autonomic regulation during the adult attachment interview
Author(s)Klein, John M.
Advisor(s)Machado, Paulo P. P.
Soares, Isabel
KeywordsAttachment
Adult attachment interview
Attachment patterns
Skin conductance
Heart rate
Vinculação
Entrevista de vinculação do adulto
Padrões de vinculação
Condutância da pele
Frequência cardíaca
Issue date14-Apr-2008
Abstract(s)During the last half century, Attachment Theory reached an evermore crucial place inside developmental psychology. In fact, since Bowlby's theoretical groundwork (1962/82, 1973, 1980) in association with Ainsworth's empirical drives (e.g., 1967, 1982, 1983), attachment research grew astonishingly fast not only to explain the normative processes of human development, but also considering psychopathological processes. As an extension of the research, lately, there has been a rising interest on the role of biological measures (electrodermal and cardiac activity) and their relationship with adult attachment organization (Dozier & Kobak, 1992; Roisman, Tsai & Chiang, 2004; Roisman, 2007). Under this umbrella, the present study aims to explore, with linear and nonlinear data analysis models, the relationship between attachment organization and autonomic activity in an non-clinical context. The sample comprised 50 female participants from the north of Portugal, aged between 17 and 27 (M = 21.20, SD = 3.26), which were monitored, with a multimedia system (Bio-Dual channel and Representation of Attachment Multimedia System), for skin conductance and heart rate while answering to the Adult Attachment Interview (AAI, George, Kaplan & Main, 1985). The AAI was scored with Kobak's Q-sort method (Kobak, 1993), allowing to classify each participant in three attachment patterns (secure, dismissing or preoccupied), and two attachment strategies (security vs. insecurity and hyperactivation vs. deactivation). The results, using a linear data analysis approach based on the mean, evidenced an attachment organization patterns differentiation, throughout the AAI questions, only for skin conductance, but not for heart rate. The non-linear data analysis approach, addressed the variability and sudden shifts not explained by the mean, revealed attachment organization differences in terms of heart rate in some of the critical attachment questions of the AAI. The analysis of the heart rate variability, using the LF/HF ration evidenced no differences at all between attachment patterns. The main results are discussed in terms of attachment theory and how the psychophysiological approach may contribute for a deeper understanding of the biological correlates of attachment.
Durante o último meio século, a Teoria da Vinculação alcançou cada vez mais um papel relevante nos meandros da Psicologia do Ddesenvolvimento. De facto, desde as bases teóricas de Bowlby (1962/82, 1973, 1980) até às pretensões empíricas de Ainsworth (e.g. 1967, 1982, 1983), a investigação da vinculação tem crescido a um ritmo alucinante, não só explicando os processos normativos do desenvolvimento humano, mas também considerando os processos psicopatológicos. Recentemente, na extensão do seu campo de investigação, tem surgido um crescente interesse relativamente ao papel das medidas biológicas (actividade electrodérmica e cardíaca) e a sua relação com a organização da vinculação no adulto (Dozier & Kobak, 1992; Roisman, Tsai & Chiang, 2004; Roisman, 2007). Neste sentido, o presente estudo pretende explorar, com modelos de análise linear e não-linear, a relação entre a organização da vinculação e a actividade autonómica no âmbito de um contexto não clínico. A amostra é constituída por 50 participantes femininas do norte de Portugal, com idades compreendidas entre os 17 e os 27 anos (M = 21.20; DP = 3.26) de idade, que foram monitorizadas com um sistema multimédia (Bio-Dual channel and Representation of Attachment Multimedia System) em termos de condutância da pele e frequência cardíaca, enquanto respondiam à Entrevista de Vinculação do Adulto (Adult Attachment Interview; AAI, George, Kaplan & Main, 1985). As AAI’s foram cotadas mediante o método do Q-sort de Kobak (1993), permitindo enquadrar cada participante em termos dos 3 padrões da vinculação (seguro, desligado ou preocupado) e duas estratégias vinculação (segurança vs. insegurança e hiperactivação vs. desactivação). Os resultados, usando uma abordagem linear de análise de dados baseada na média, evidenciaram uma diferenciação em termos de condutância da pele, mas não de frequência cardíaca entre os padrões da vinculação, no decorrer das questões da AAI. As abordagens não-lineares de análise de dados, focadas na variabilidade e nas alterações súbitas não explicadas pela média, revelaram que os diferentes padrões de vinculação se distinguiam em termos de frequência cardíaca em algumas das questões da AAI. As análises de variabilidade cardíaca, usando o rácio LF/HF, não evidenciaram quaisquer diferenças entre os padrões de vinculação. Os principais resultados são discutidos em termos da teoria de vinculação e da forma como a abordagem psicofisiológica poderá contribuir para uma compreensão mais profunda dos correlatos biológicos da vinculação.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese de doutoramento - Ramo do Conhecimento em Psicologia Clínica
URIhttp://hdl.handle.net/1822/7784
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Teses de Doutoramento
CIPsi - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PSYCHOPHYSIOLOGICAL CORRELATES OF ATTACHMENT ORGANIZATION.pdf1,8 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID