French
Spanish
Portuguese
RepositoriUM
Universidade do Minho
Documentation Services Search Portal Bibliographic Catalogue .
 

Universidade do Minho > Biblioteca da Universidade do Minho > BUM - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/7723

View statistics of this item View statistics of this item
Title: Adaptação ao trabalho por turnos
Authors: Silva, Isabel Maria Soares da
Advisor: Keating, José
Issue date: 7-Mar-2008
Abstract: A diversificação dos horários de trabalho constitui uma das mudanças mais significativas que ocorreram nas últimas décadas do ponto de vista ocupacional. Entre as diversas modalidades horárias existentes, consta a organização do horário de trabalho por turnos. Esta modalidade horária tem sido associada a diversos efeitos indesejáveis para os trabalhadores dado que poderá colocar problemas do ponto de vista fisiológico, psicológico e social e, também, ao nível organizacional (ex., produtividade, segurança ocupacional), especialmente em conexão com o trabalho nocturno. As várias fases empíricas que compõem este trabalho foram levadas a cabo em organizações têxteis que laboravam por turnos, à excepção da primeira fase que consistiu na caracterização de um segmento de empresas da Indústria Têxtil e do Vestuário do Distrito de Braga em função dos horários de trabalho (com e sem trabalho nocturno). A comparação entre o subsector têxtil e o subsector do vestuário, indica que o recurso ao trabalho nocturno ocorre predominantemente em empresas integradas no primeiro. O presente trabalho nasceu do interesse em compreender o modo como as organizações localmente reconhecem e gerem os problemas associados ao trabalho por turnos. Nesse âmbito, foram realizadas 10 entrevistas qualitativas em 5 organizações do subsector têxtil. Globalmente, a percepção dos entrevistados é consonante com a literatura, especialmente do ponto de vista da saúde dos trabalhadores que realizam trabalho nocturno. Exceptuando as compensações económicas e a vigilância médica, ambas reguladas por lei, não foram identificadas estratégias específicas para os problemas identificados em conexão com o trabalho nocturno. No entanto, as organizações diferenciam-se nas práticas de gestão do trabalho por turnos, especialmente ao nível das estratégias de admissão e de transferência entre turnos. É explorada a hipótese de que tais diferenças possam estar associadas a diferentes níveis de abandono do trabalho nocturno em interacção com variáveis de nível individual. Este estudo empírico, juntamente com o seguinte (estudo de caso), constituem a fase mais exploratória do projecto de investigação, tendo em ambos os casos, sido privilegiada a compreensão dos processos organizacionais envolvidos na gestão do trabalho por turnos. No estudo de caso foi analisado o modo como a organização geriu um processo de conversão de um sistema de turnos semi-contínuo a laboração contínua. Foram entrevistados os 2 actores organizacionais responsáveis por essa gestão e realizadas 38 entrevistas estruturadas a trabalhadores. Concomitantemente, foram analisados outros aspectos relativos à experiência de trabalho por turnos (ex., análise das razões que motivaram mudanças entre turnos). Globalmente, os resultados indicam a saliência dos factores sociais e organizacionais nas respostas dos trabalhadores à mudança horária. Além disso, apontam para relevância da participação dos trabalhadores nos aspectos relativos ao tempo de trabalho do ponto de vista da adaptação. No último estudo foi testado um modelo estrutural numa amostra de 752 trabalhadores têxteis, oriundos de 4 organizações. Este modelo analisa o impacto de variáveis de saúde subjectiva (“queixas de sono”, “queixas digestivas” e “fadiga crónica”), do contexto organizacional (“suporte do contexto organizacional”) e do contexto extra-organizacional (“conciliação entre o horário de trabalho e vida extra-organizacional”) na resposta aos horários de trabalho. Os resultados suportam parcialmente o modelo. A “conciliação extratrabalho” é o factor que exerce uma influência mais significativa na resposta ao horário de trabalho. Por outro lado, o “esforço” colocado na interface entre horário de trabalho e “vida extra-organizacional” e o “suporte do contexto organizacional” predizem a “conciliação extra-trabalho”. Os resultados apontam para a relevância das práticas flexíveis na gestão do tempo do trabalho.
From the ocupational point of view the diversification of working schedules is one of the most significant changes which occurred in the last decades. Amongst the varied working schedules there is the shiftwork. This working schedule has been associated with different undesirable effects on the workers, since it may generate physiological, psychological and social problems, as well as problems at the organizational level (e.g. productivity, occupational safety), especially in night work. The empirical stages of the present study were carried out in textile companies where working hours were organized into shifts, with the exception of the first stage which consisted of characterising a group of companies from the Textile and Clothing Industry in the district of Braga, according to their working schedules (with or without night work). The comparison between the textile and the clothing subsectors showed that the recourse to night work occurs predominantly in the companies of the former. The present study arose from the interest in understanding how the organizations at local level recognize and manage the problems connected with shiftwork. Within the ambit of this study 10 qualitative interviews were carried out in 5 organizations of the textile subsector. In global terms, the perceptions of the interviewees were consonant with literature, especially from the night workers’ health point of view. Except for the economic compensation and medical care, both regulated by legislation, no specific strategies related to night work problems were identified. Nevertheless, differences concerning shiftwork managing practices, mainly in what refers to admission criteria and the transference of workers within shifts, were found within the organizations. The hypothesis that such differences might be associated with different levels of night work leave in interaction with individual variables was also explored. This empirical study, in addition to the following (case study), comprise the most exploratory stage of the research project. In both cases the understanding of the organizational processes involved in shiftwork management was privileged. Within the case study the way the organization managed the conversion from a semi-continuous shift system into a continuous labour system was analysed. Two organizational actors, who managed the conversion process, were interviewed and 38 structured interviews were carried out with the workers. Concurrently, other aspects related to the shiftwork experience were also analysed (e.g., analysis of the reasons behind shift changing). In global terms the results point out the relevance of social and organizational factors shown in the answers of the workers concerning the working schedule change. From the adaptation point of view they also point out the relevance of the workers participation to aspects related to working time. In the latter study a structural model was tested on a sample of 752 textile workers from 4 organizations. This model analyses the impact of subjective health variables (e.g., ‘sleep complaints’, ‘digestive complaints’ and ‘chronic fatigue’), of the organizational context (‘support in organizational context’) and of the extra/organizational context (‘working schedule and extra/organizational life conciliation’) in the workers’ answers concerning the working schedule. The model was partially corroborated by the results. The ‘extra-work conciliation’ has a significant influence on the answer to the working schedule. On the other hand, the ‘effort’ put into the interface between the ‘working schedule’ and ‘extra/organizational life’ as well as the ‘support at organizational level’ predict the ‘extra/work conciliation’. The results point out the relevance of flexible practices to the management of the working time.
Type: doctoralThesis
Description: Tese de doutoramento em Psicologia - Área Psicologia do Trabalho e das Organizações.
URI: http://hdl.handle.net/1822/7723
Appears in Collections:BUM - Teses de Doutoramento
CIPsi - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Tese de Isabel Maria Soares da Silva.pdf2,83 MBAdobe PDFView/OpenRestrict Access. You can Request a copy!
Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 


Universidade do Minho | Serviços de Documentação - Feedback - Statistics of RepositóriUM