Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/6992

TitleAtivação alcalina de cinzas volantes utilizando solução combinada de NaOH e Ca(OH)2
Author(s)Vargas, Alexandre Silva de
Dal Molin, D. C. C.
Vilela, António C. F.
Jalali, Said
Gomes, J. P. Castro
KeywordsCinzas volantes
Ativação alcalina
Resíduos
Fly ash
Alkali-activation
Waste
Issue date2006
CitationCONGRESSO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE METALURGIA E MATERIAIS, 61, Rio de Janeiro, Brasil, 2006 – “Anais do 61º Congresso Anual da Associação Brasileira de Metalurgia Materiais” [CD-ROM]. São Paulo : ABM, 2006. p. 619-628.
Abstract(s)Este trabalho teve como objetivo avaliar o comportamento da resistência à compressão, ao longo do tempo, em amostras de argamassas à base de cinzas volantes álcali-ativadas. Como ativador alcalino foi utilizada uma solução combinada de NaOH e Ca(OH)2. A cura das amostras foi realizada de duas formas distintas. Na primeira, as amostras foram mantidas em estufa à 70°C/12 hs e à temperatura constante de 22°C em sala climatizada até a idade de ensaio. Apesar de serem obtidas resistências da ordem de 20 MPa nas primeiras 24 hs, houve decréscimo da resistência a partir da idade de 7 dias. Verificado esse comportamento, um segundo método de cura foi adotado. Para isso, o traço utilizado para o preparo de novas argamassas foi o mesmo adotado no método anterior. Porém, foram submetidas à temperatura constante de 70°C até a idade de ensaio. Nesse caso, as amostras apresentaram decréscimo mais acentuado da resistência em menor espaço de tempo, quando comparado às amostras curadas no primeiro método. Como estudos complementares foram realizadas análises microestruturais da CV antes e depois da ativação, utilizando o MEV/EDS.
The main objective of this work was to evaluate the development of the compressive strength, along time, in alkali-activated fly ash mortars. As alkaline activator a combined solution of NaOH and Ca(OH)2 was used. The cure of the samples was carried through two distinct forms. In the first one, samples were kept in oven at 70°C during the first 12 hours and at constant room temperature of 22°C afterwards, until the age of testing. Compressive strength of 20 MPa magnitude were achieved during the first 24 hours, however it started to decrease after the age of 7 days. Considering this behaviour, second method of curing was adopted for the same mixing proportions. However, mortar samples were kept in oven at 70°C until the age of testing. In this case, compressive strength results decreased more significantly and at earlier ages, when compared with the results of samples cured using the first method. As complementary to understand the decreasing in compressive strength, microstructural analyses of the fly ash, before and after the activation, have been carried out, using the SEM/EDS.
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/6992
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CEC-MAT - Comunicações a Conferências Internacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
hempcrete_new CordisBrasil 2006.pdfartigo1,18 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID