Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/6456

TitleRestos : o exercício crítico e poético de Joaquim Manuel Magalhães
Author(s)Cruz, Paula Cristina Oliveira da Cruz
Advisor(s)Diogo, Américo Lindeza
Issue date1-Jul-2002
Abstract(s)Magalhães, não é um crítico que é poeta, nem tão pouco um poeta que é crítico. Crítico e poeta são formas complementares de pensar o fenómeno literário. E poucos, na segunda metade do século XX, se dedicaram de forma tão atenta à análise da poesia portuguesa contemporânea. Muitas vezes polémico, seguramente controverso, avesso a consensos, fez luz sobre muitos nomes do panorama poético actual e recuperou alguns nomes –justa ou injustamente - ignorados pelo tempo Na primeira parte do nosso trabalho, abordamos a obra ensaística de Magalhães - Os Dois Crepúsculos; Um Pouco De Morte e Rima Pobre. Neste sentido, procuramos mostrar a influência do pensamento de F.R. Leavis e de T.S. Eliot no seu exercício crítico e analisamos as relações, nem sempre pacíficas, de Magalhães com uma esfera pública fragmentária e pouco participativa. Achamos profícuo distinguir a noção de modernismo da noção de vanguarda, pois estes conceitos são usados de forma pouco precisa por Magalhães. Este tende a confundir a ideia de vanguarda com a urgência do novo, com uma lógica de superação, quando de facto o projecto vanguardista é uma tentativa de reconduzir a arte à praxis vital. A arte deve desautonomizar-se. No centro das preocupações de Magalhães está também o público, ou melhor os públicos. A massificação da res literária trouxe públicos que não procuram o caminho da facilidade. Até a poesia, conotada com a high culture e com uma sensibilidade maior e minoritária, foi afectada por um público pouco esclarecido, consumidor de emoções alheias e facilmente iludido pelo aparato retórico-discursivo de certa poesia. Num segundo momentodo nosso trabalho, centramo-nos na obra poética de Magalhães, distinguindo três momentos capitais, a saber, a reescrita de toda a obra publicada até 1985 em Alguns Livros Reunidos (mantendo autónomas apenas duas obras); as obras onde o vincar do negrume é por demais evidente (especial relevo para Uma Luz com toldo vermelho e a Poeira levada pelo vento) e, finalmente, os poemas publicados em O Independente e coligidos em Alta Noite em Alta Fraga. Na última parte, tomamos de empréstimo um conceito do âmbito da geologia – recristalização - para melhor entendermos a revisitação temática feita nos poemas publicados em O Independente, e posteriormente coligidos em Alta noite Alta Fraga. A esfera pública, a ausência de uma moral, a pequenez, a degradação física, a velhice, o destruir da paisagem (a última das utopias), a falta de um espaço habitável, a morte, a devastação invadem este textos elegíacos. O desencanto, o negrume é tanto que nem a própria morte é uma certeza de paz. – «Só nos resta esperar então morrer?» (Magalhães, 2001f:80). A poesia de Magalhães é cada vez mais uma ética do fim.
TypeMaster thesis
DescriptionDissertação de Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Portuguesa
URIhttp://hdl.handle.net/1822/6456
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Restos - tese.pdf341,99 kBAdobe PDFView/Open
resumo - Restos.pdf13,93 kBAdobe PDFView/Open
Capa.pdf9,48 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID