Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/63265

TitleA filha (mais velha) de Joaquim Luís. Sobre "As Três Irmãs"
Other titlesThe (older) daughter of Joaquim Luís. About "As Três Irmãs"
Author(s)Sousa, Sérgio Guimarães de
KeywordsPatriarcado
Casamento
Romantismo
Empreendedorismo
Patriarchy
Marriage
Romanticism
Entrepreneurship
Camilo Castelo Branco
As Três Irmãs
Issue date1-Jan-2013
PublisherUniversidade do Minho. Centro de Estudos Humanísticos (CEHUM)
JournalDiacrítica. Série Ciências da Literatura
CitationSousa, S. G. de (2013). A filha (mais velha) de Joaquim Luís. Sobre As Três Irmãs. Diacrítica, 27/3, 265-284
Abstract(s)Em As Três Irmãs (1862), Camilo Castelo Branco, cedendo, segundo a leitura que desta novela tem sido feita, a valores burgueses (e, por extensão, à moralidade patriarcal), apresenta-nos uma protagonista, Jerónima, que parece encarnar os preceitos do Antigo Regime. Resistindo intransigentemente aos ideais do coração (o órgão que, muito romanticamente, expande idealizações), a moça, varonil e dotada de um espírito bem prático e empreendedor, compraz-se em ocupar-se com atividades comerciais. Este apego à família e à ordem patriarcal, ao que creio, mais não será, em boa verdade, do que uma denegação da ordem patriarcal e, consequentemente, da dominação masculina. Isto porque Jerónima, tudo bem visto, faz o que essa ordem não consente: não casa, apesar de sentimentalmente muito solicitada, e, num sinal evidente de subversão dos valores patriarcais, ocupa-se de tarefas eminentemente adstritas à condição masculina, como seja o empreendedorismo comercial e financeiro.
In As Três Irmãs (The Three Sisters, 1862), Camilo Castelo Branco, giving in to bourgeois values (and by extension to the patriarchal morality), according to the most frequent interpretation of this novel, introduces us to Jerónima, who seems to embody the principles of the Old Regime. Uncompromisingly resisting to the ideals of the heart (the organ which, quite romantically, expands idealisations), the young lady, quite manly and endowed with a practical and entrepreneurial mind, is pleased to dedicate herself to commercial activities. This attachment to family and patriarchal order, I believe, is in fact, nothing but the denial of the patriarchal order itself and, consequently, of male dominance. This is because Jerónima, when all is said and done, does precisely what that order does not permit: she doesn't get married, though emotionally very sought after, and in an obvious display of subversion of the patriarchal values, undertakes tasks which are eminently restricted to males, such as commercial and financial entrepreneurship.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/63265
ISSN0807-8967
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CEHUM - Artigos publicados em revistas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Crítica..pdf1,33 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID