Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/63011

TitleCães na publicidade. Humanos, (não) humanos ou otherness?
Author(s)Pires, Helena
Editor(s)Álvares, Cristina
Curado, Ana Lúcia
Mateus, Isabel Cristina
Sousa, Sérgio Guimarães de
KeywordsCães
Publicidade
Anúncios
Humano
Não-humano
Otherness
Issue date2019
PublisherHúmus
CitationPires, H. (2019) Cães na publicidade. Humanos, (não) humanos ou otherness?. In C. Álvares, A. L. Curado, I. C. P. Mateus & S. G. de Sousa (Orgs.), Cães e imaginário: literatura, cinema, banda desenhada (pp. 129-139). V. N. Famalicão: Húmus.
Abstract(s)A utilização de cães na publicidade não é uma prática nova. Em anúncios televisivos de marcas como a Budweiser, a Volkswagen ou a Vodafone, encontram-se exemplos em que os cães são protagonistas. Ao longo da história da publicidade, observam-se mudanças relativas às representações do cão na sua relação com os humanos, nos mais variados contextos (tanto no espaço doméstico, como fora de casa), mas também na sua relação com os outros animais ou ‘entes’. À semelhança de outros registos, literário, cinematográfico, na publicidade os cães são, com frequência, antropomorfizados, transformados em cães-companheiros, cães-amigos, cães-adotados, cães-amados. Cães com nome próprio e com histórias de vida servem estratégias criativas baseadas em argumentos de natureza essencialmente emocional. Mas mais do que isso, assistimos hoje, nesses mesmos anúncios, a uma cada vez mais evidente desestabilização do estatuto ontológico das ‘entidades’ que convivem ou coabitam entre si, no espaço doméstico. De um lado, os cães tornam-se, ora ‘humanizados’ (trocam afetividade com os humanos), ora mecanizados (incorporam uma aprendizagem estruturada em rotinas), ora mesmo desterritorializados (desligados do mundo ‘natural’). Do outro, os humanos são confrontados com a difração do seu próprio poder de ação no espaço doméstico, onde têm lugar a televisão, o portátil, o telemóvel, os animais domésticos, a família… Com este exercício, pretende-se analisar um dado anúncio publicitário, em cuja diegese o cão é personagem, com vista a refletir, do ponto de vista crítico, sobre o modo como na nossa cultura visual ressoam novas configurações do humano e do animal. Procuraremos argumentar no sentido de que a possibilidade de uma deslocação de sentidos, do humano para o não-humano e do não-humano para o humano, vai ganhando força no imaginário coletivo, expressa numa nova entidade material- -semiótica. Designaremos essa mesma entidade por ‘otherness’, nos termos de Donna Haraway. Mais precisamente, The Companion Species Manifesto: Dogs, people and Significant Otherness (2015) e ainda When Species Meet (2008), da mesma autora, permitirão ancorar este exercício num quadro conceptual que nos parece muito oportuno para pensarmos a implosão dos ‘sujeitos’, enquanto figuras resilientes de um paradigma dual fortemente abalado, apesar de ainda insuficientemente discutido.
TypeBook part
URIhttp://hdl.handle.net/1822/63011
ISBN978-989-755-422-3
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Livros e capítulo de livros / Books and book chapters
DCC - Livros e capítulo de livros / Books and book chapters

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2019_Pires_Caes-na-publicidade.pdf87,23 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID