Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/61829

TitleMascate, cidade ou território: para uma interpretação da sua defesa ao tempo português
Author(s)Lopes, Ana Catarina Gonçalves
Correia, Jorge
KeywordsPenínsula Arábica
Mascate
Arquitetura militar
Território
Cidade
Arabian Peninsula
Muscat
Military Architecture
Territory
Issue date2018
PublisherUniversidade Nova de Lisboa. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Instituto de História da Arte
JournalRevista de História da Arte
CitationLOPES, Ana, CORREIA, Jorge - “Mascate, cidade ou território: para uma interpretação da sua defesa ao tempo português”, Revista de História da Arte – Cidade (In)Defesa / Defence(less) city (eds. Margarida Tavares da Conceição e Renata Malcher Araújo). Lisboa: Instituto de História da Arte. 13 (2018) 68-89.
Abstract(s)De todas as fortalezas que marcaram a presença portuguesa no Médio Oriente, Mascate (1507-1650) destaca-se como um dos conjuntos de maior escala e relevância, desenvolvido graças à sua posição estratégica no panorama do Estado da Índia e devido às suas excelentes condições portuárias. Circunscrita pela praia e abrigada por uma cortina de picos montanhosos, a implantação da cidade de Mascate não requereu grande esforço defensivo até à chegada dos portugueses. Durante os anos 80 do século XVI, construíram-se duas poderosas fortificações – São João e Almirante, cujo desenho aparecia alternativa e plasticamente adaptado à topografia acidentada do local. Já em Seiscentos, a coroa portuguesa sentiu necessidade de dotar a cidade de um traçado amuralhado, acompanhado de fosso e pontuado por baluartes, que ainda hoje se pode ler, mesmo que parcialmente adulterado pelo crescimento urbano do final do século XX. Cruzando leituras cartográficas e relatos coevos com levantamentos actuais, interpretação iconográfica e análise morfológica, este artigo visa compreender a complementaridade e diálogo que as diversas estruturas militares foram articulando neste ponto da costa omanita em prol de uma visão macro-territorial de defesa de porto e cidade.
Among all of the fortresses that are the legacy of Portuguese presence in the Middle East, Muscat (1507‑1650) is one of the biggest and most significant, due to its excellent harbouring conditions and strategic location within the Portuguese State of India. Edged by the beach and sheltered by a curtain of high peaks, only when the Portuguese arrived did the city require heavy defensive measures. During the 1580s, two powerful fortified strongholds – São João and Almirante – were erected, their layout apparently adapted to the challenging topography of the site. Later, in the seventeenth century, the crown felt the need to surround the city with walls punctuated by bastions and a moat. These structures are still discernible today, albeit partially changed by the late-twentieth century urban growth. Crossing cartographical readings with coeval reports and current surveys, combined with iconographic interpretation and morphological analysis, this paper seeks to understand the dialogue and complementarity established between all of the military structures along this stretch of the Omani coast, with a view to attaining a macro-territorial perspective of the defences of the harbour and the city.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/61829
ISSN1646-1762
Publisher versionhttps://novaresearch.unl.pt/en/publications/mascate-cidade-ou-territ%C3%B3rio-para-uma-interpreta%C3%A7%C3%A3o-da-sua-defesa
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:EA - Artigos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RHA_2018.pdf859,94 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID