Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/61002

TitleO largo da Mumadona: história, desenho e evolução da sua importância na estrutura urbana de Guimarães
Author(s)Fernandes, Eduardo
KeywordsMumadona
Guimarães
Marques da Silva
Luís de Pina
Issue date2017
CitationFernandes, E. “O largo da Mumadona. História, desenho e evolução da sua importância na estrutura urbana de Guimarães.” 2º Congresso Internacional AS CIDADES NA HISTÓRIA. 18-20 Out. 2017 – Centro Cultural vila Flor, Guimarães.
Abstract(s)Se o burgo de Guimarães cresce, desde o primeiro quartel do século X, numa bipolarização entre castelo e mosteiro, a rua que liga a Vila Alta à Vila Baixa marca um primeiro eixo de crescimento que prolonga para norte/nascente (na direção de S. Torcato e Chaves) e para sul/poente, na direção de Vila do Conde, Santo Tirso e Porto. Até ao século XIX, este é o principal eixo que vai estruturando o crescimento urbano, mesmo quando a bipolaridade inicial da cidade desaparece. Depois de, em 1853, a Rainha D. Maria II conceder o título de cidade a Guimarães, surge um primeiro plano urbanístico da autoria do Eng. Almeida Ribeiro, professor de Arquitectura Civil e Naval da Academia Portuguesa de Belas Artes, que não previa qualquer área de expansão, apenas intervenções no existente. Assim, o primeiro contributo para o crescimento planeamento da cidade surge na sequência do concurso para os novos Paços Municipais, que Marques da Silva ganha em 1916. Em 1923, é decidida a sua construção noutro local: na confluência da rua de Serpa Pinto com a estrada de Fafe. O projeto de implantação, que incluía o desenho de uma praça para a qual convergiam várias vias, é aprovado em 1924. No ano seguinte é apresentado o Plano Geral de Alargamento da Cidade do Capitão Luís de Pina, que prevê a criação de uma zona de expansão urbana em torno do novo edifício da Câmara Municipal, que se encontrava já em construção: confluíam para aí três avenidas, num desenho em forma de pata de ganso que se articulava com os arruamentos pré-existentes. Este traçado lembra o desenho barroco da praça Del Popolo (em Roma) e as triangulações do plano de Haussman para Paris, mas está também claramente referenciado a Guimarães: a avenida Alberto Sampaio corre paralela ao único pano da muralha que sobreviveu às demolições do século XIX, a avenida Cónego Gaspar aponta ao alto da colina da Penha, a avenida dos Combatentes da Grande Guerra, no centro, traça a bissetriz do ângulo formado pelas outras duas e a rua José Sampaio, que remata o triângulo, aponta ao convento de Sta. Marinha da Costa. O edifício dos Paços Municipais nunca foi concluído (em seu lugar, foi edificado o Palácio de Justiça de Guimarães, inaugurado em 1960 segundo o projeto elaborado por Luís Benavente) mas a nova praça vai continuar a ser uma peça central na cidade: a sua importância é evidente nos Planos de Urbanização da Cidade de Guimarães desenvolvidos por David Moreira da Silva e Maria José Marques da Silva (1955) e Fernando Távora (1982). A recente construção de um parque de estacionamento subterrâneo nesta praça, com projeto de Álvaro Siza Vieira, vem de novo reforçar a importância que este espaço detém na dinâmica urbana de Guimarães. Com este trabalho, pretende-se aprofundar a análise da evolução do desenho deste espaço em função da sua articulação com a estrutura urbana da cidade, de 1925 aos nossos dias.
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/61002
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:EA - Comunicações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EduardoF_Mumadona.pdf407,26 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID