Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/59989

TitleO Grande Lagarto: o Mar Vermelho nos primórdios da presença portuguesa no Oceano Índico (1487-1521)
Author(s)Lázaro, António Manuel Clemente
Advisor(s)Farinha, António Dias
Aubin, Jean
Capela, José Viriato
Issue date2006
Abstract(s)Esta dissertação, intitulada O Grande Lagarto: O Mar Vermelho nos primórdios da presença portuguesa no Oceano Índico (14871521), inclui um conjunto de ensaios que versam temáticas conducentes à compreensão daquilo que a aludida área representou no seio da presença portuguesa no Oceano Índico, nos primórdios do século XVI. Em primeiro lugar, tomando como ponto de partida aquilo que as fontes quinhentistas dizem sobre a viagem de Diogo Dias, tida como a primeira a alcançar as margens do Mar Vermelho, trataremos de nos debruçar sobre as representações do Mar Vermelho, no plano da cartografia e do discurso, identificando não só as permanências como as mutações decorrentes do seu descobrimento. O segundo, tratando daquilo que foram as intenções, práticas e projectos promovidos pela Coroa Portuguesa em tomo nesse espaço, incide sobre as iniciativas que decorreram entre a viagem de Vicente Sodré e a expedição de Diogo Lopes de Sequeira. Este percurso leva-nos a concluir que a identidade e relevância do Mar Vermelho, na perspectiva da Coroa Portuguesa, se diluía num espaço mais vasto, um espaço que incluía não apenas o Oceano Índico, mas também o Mediterrâneo. Na senda do anterior, procedeu-se a uma tentativa de reconstituição dos caminhos tomados por uma carta de um capitão turco enviada a um grão-mestre da ordem de São João de Jerusalém, a qual chegou a Portugal, pretexto para identificar os canais de circulação e os recursos de informação utilizados pela Coroa Portuguesa e para aferir do modo como a mesma, no início do século XVI, articulava e pensava o Império. Concluindo que, a Coroa Portuguesa não só não compartimentava os seus interesses como pensava e actuava à escala planetária. Estes capítulos são precedidos por um texto que se debruça sobre os mais antigos testemunhos da utilização da linguagem criptográfica em Portugal e, ao fazê-lo, pretende inferir de que forma a Coroa Portuguesa manipulava o segredo. Contrariando a tese da política de sigilo nos Descobrimentos, de Jaime Cortesão, entendida por este autor como um problema de método, específico da história dos Descobrimentos, este capítulo introdutório pretendeu, no fundo, elucidar o verdadeiro significado das fontes disponíveis e o modo como estas podem ser usadas para construir a história dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa.
As the title suggests, The Great Lizard: The Red Sea in the early beginnings of the Portuguese presence in the Indian Ocean (1487152 1) comprises a set of essays on issues that lead to the understanding of the role this region played within the Portuguese presence in the Indian Ocean, at the opening of the sixteenth century. Taking as a starting point the information in the sixteenth-century sources on the journey of Diogo Dias, supposedly the first Portuguese explorer who reached the Red Sea, this dissertation will deal with its representations at the level of discourse and in the cartography, and tries to identify the changes occurred in the way the Red Sea was perceived in the transition between the fifteenth and the sixteenth century. Chapter ii looks at the intensions, actions and projects undertaken by the Portuguese Crown in this region and analysis the meaning of a set of expeditions carried out between the journey of Vicente Sodré and that of Diogo Lopes de Sequeira. In doing this, we are led to conclude that the identity and relevance of the Red Sea can only be grasped within a wider setting, which includes not only the Indian. Ocean but also the Mediterranean Sea. Following up the previous chapter, an attempt is made at reconstructing the itinerary of a letter sent by a Turkish Captain to a Grandmaster of the Order of Saint John of Jerusalem, which reached Portugal, in order to identify the circulation and information sources used by Crown and understand the way in which the later conceptualized the Empire at the beginning of the sixteenth century. An essay that analyses the oldest documents known in Portugal using encrypted language precedes the above chapters. This introductory essay aims at elucidating the way in which the Portuguese Crown manipulated information and secrecy. Standing in opposition to Jaime Cortesão's argument on the politics of secrecy in the Age of the Discoveries, which the author takes to be mainly a methodological issue, we hope to enlighten the true meaning of the available sources and the way in which they can be used to reconstruct the Portuguese History.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese de Doutoramento em História
URIhttp://hdl.handle.net/1822/59989
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Teses de Doutoramento
DH - Teses de Doutoramento/PhD Theses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_Doutoramento_Antonio_Manuel_Lazaro.pdf176,35 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID