Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/59793

TitleExperiência dos enfermeiros sobre morte em cuidados intensivos
Author(s)Silva, Ricardo
Macedo, Ermelinda
KeywordsMorte
Cuidados intensivos
Enfermagem
Death.
Nursing
Intensive care
Issue date2018
Abstract(s)Introdução e justificação do tema: a morte não é apenas um processo biológico, mas um processo construído socialmente, que não se distancia de outras dimensões do universo das relações sociais, sendo capaz de suscitar pensamentos conduzidos pela emoção e reações emocionais na pessoa que está a morrer e nos que a circundam. A finitude do Homem atribui à morte a inequívoca verdade da condição humana. Com o decorrer dos tempos assiste-se à transferência da morte para o meio hospitalar, em detrimento da morte no domicílio. O desvanecimento do fenómeno natural parece querer transformar a morte em algo frio, escondido e profundamente indesejado, o que pode levar a alterações significativas ao nível da vertente cerimonial deste processo (Santos e Bueno, 2011; Pereira, 2013). As unidades de cuidados intensivos são altamente tecnológicas e visam recuperar e tratar falências multiorgânicas que colocam a vida da pessoa em risco. No entanto, a incidência de mortes ao nível dos cuidados intensivos é algo que ocorre com alguma frequência (Urden, Stacy, & Lough, 2008; Silva e Lage, 2010). Objetivos: explorar e descrever a experiência da morte e do morrer vivida pelos enfermeiros numa unidade de cuidados intensivos; compreender o significado que os enfermeiros atribuem à morte. Metodologia: estudo qualitativo, exploratório e descritivo, de base fenomenológica. Participaram 25 enfermeiros que foram selecionados por conveniência, tendo a amostra sido atingida por saturação teórica. Os dados foram recolhidos com recurso à entrevista não estruturada e analisados segundo a reflexão fenomenológica das narrativas, à luz da perspetiva de van Manen (2016). Todos os procedimentos éticos foram cumpridos. Resultados: os sujeitos apresentaram uma média de idades de 36 anos; a maioria do sexo feminino (18) e licenciados (17) e, em média, exerciam em cuidados intensivos há 8 anos. Das narrativas dos participantes emergiram cinco (5) temas: condicionantes da perceção dos enfermeiros sobre a morte e o morrer; práticas e contextos de cuidados ao doente em morte iminente; práticas e contextos de cuidados à família; mecanismos de adaptação; e conflitos internos na gestão dos cuidados. Conclusões: os resultados permitem uma melhor compreensão do significado que os enfermeiros das unidades de cuidados intensivos atribuíram à morte, podendo orientar as intervenções dos enfermeiros para um cuidado mais centrado na pessoa, mais digno e mais confortador para a família e doentes que se confrontam com a morte neste e noutros contextos.
TypeOral presentation
URIhttp://hdl.handle.net/1822/59793
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:ESE-CIE - Comunicações / Communications


Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID