Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/59148

TitleAs cores no processamento do signifcado: provérbios e sinestesia
Other titlesColors in linguistic meaning processing: proverbs and synesthesia
Author(s)Teixeira, José
KeywordsCognição e linguagem
Sinestesia
Signifcado linguístico
Provérbios
Issue dateDec-2018
PublisherUniversidade da Coruña
JournalRevista Galega de Filoloxía
CitationTeixeira, José (2018). “As cores no processamento do significado: provérbios e sinestesia” Revista Galega de Filoloxía, 2018, 19: pp. 131-149, DOI:https://doi.org/10.17979/rgf.2018.19.0.4950
Abstract(s)Os fenómenos de sinestesia são entendidos e referidos de forma diferente dentro da Psicologia e da Retórica clássica. Ambas as áreas entendem a sinestesia como uma perceção que cruza estímulos de diferentes áreas sensoriais, verificando-se quando o indivíduo refere determinada perceção através de estímulos de uma área percetiva habitualmente ligados a uma outra área de perceção (associar, por exemplo, letras a cores). Dentro da Psicologia, a sinestesia é habitualmente ligada às patologias, considerando-se as ligações sinestésicas como ligações não normais; dentro da Retórica clássica, é entendida como um artifício da linguagem (uma “figura de estilo”) que permite embelezar a expressividade verbal. Os estudos mais recentes dentro da cognição, no entanto, parecem evidenciar a não aleatoriedade completa das sinestesias, mesmo dentro dos chamados cérebros sinestetas. A ser assim, os fenómenos ditos de sinestesia, como associar uma cor a uma letra, a um som, a uma palavra ou frase não diretamente referentes a cor, não serão tão aleatórios como aparentemente pareciam ser. Para tentar perceber a maior ou menor arbitrariedade e aleatoriedade da associação entre cores e estruturas linguísticas de signifcado relativamente autónomo como os provérbios, realizamos 843 inquéritos que incluíam 9 provérbios não diretamente ligados a cor (como por exemplo “quem tudo quer, tudo perde”). Pedia-se que o inquirido associasse uma cor ao provérbio apresentado. A finalidade será a de, desta forma, verifcar até que ponto se pode encontrar alguma sistematicidade no processamento linguístico-cognitivo de associação entre a cor o significado de palavras e frases que não incluem referências diretas a cores.
Synesthesia phenomena are understood and referred to differently within Psychology and Classical Rhetoric. Both areas / regard synesthesia as a perception that crosses stimuli of different sensorial areas. This can be verifed when the individual refers to certain perception through stimuli of a perceptual area usually linked to another area of perception (associating, for example, letters to colors). Within Psychology, synesthesia is usually linked to pathologies, considering synesthetic associations as non-normal connections; within Classical Rhetoric, synesthesia is understood as a fgure of speech (a "fgure of style") that allows to decorate verbal expressiveness. Recent cognitive studies, however, seem to evidence in so many cases the non-randomness of synesthesia, even within the so-called synesthetic brains. In so doing, the so-called synesthesia phenomena (such as associating a color with a letter, with a sound, a word or a phrase not directly referring to color itself) may not be as random as previously thought. A set of 843 surveys was conducted involving 9 proverbs not directly linked to color ( like for example "Who wants everything, loses everything") in order to understand the greater or lesser arbitrariness and randomness of the association established between colors and linguistic structures of relatively autonomous meaning such as proverbs. The respondent was/ Respondents were asked to associate a color with the presented proverb. The purpose is to verify if some / whether or not some systematicity can be found in the linguistic-cognitive processing of the association between colors and the meaning of words and phrases not including / which / that do not include specifc direct references to color.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/59148
DOI10.17979/rgf.2018.19.0.4950
ISSN1576-2661
e-ISSN2444-9121
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CEHUM - Artigos publicados em revistas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
texto publicado.pdf596,74 kBAdobe PDFView/Open

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID