Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/57704

Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorTeixeira, Josépor
dc.date.accessioned2019-01-02T11:46:13Z-
dc.date.available2019-01-02T11:46:13Z-
dc.date.issued2018-
dc.identifier.citationTeixeira, José (2018). “Quando morrem as metáforas vivas e nascem as metáforas mortas: a rece(p)ção no processo metafórico”, in Almeida, A. Ariadne Domingues & Santos, Elisângela Santana dos, (Organizadoras) Linguística cognitiva: redes de conhecimento d’aquém e d’além-mar, EDUFBA-Editora da Universidade Federal da Bahia, Salvador, pp.139-159. (ISBN do livro: 978-85-232-1699-3)por
dc.identifier.isbn978-85-232-1699-3por
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1822/57704-
dc.description.abstractAs chamadas metáforas vivas sempre foram vistas como diferentes das apelidadas metáforas mortas ou catacreses pela retórica clássica. No entanto, pode haver situações intermédias entre metáforas mortas e vivas, pelo facto de que em cada uso de uma metáfora há (pelo menos) dois sistemas cognitivos em funcionamento, o do emissor e o do recetor. Ora são as possíveis diferenças entre a emissão e a receção que permitem as mutações, as evoluções e o caminho habitual que cada metáfora viva seguirá até se tornar num termo lexical que os falantes poderão deixar de ter de processar como metáfora. Assim, a morte das metáforas vivas não é uma perda, mas um mecanismo de economia linguística através do qual a mente faz rotinas de significado daquilo que era uma ponte construída por uma metáfora. Por isso, neste processo, nunca há perdas, mas eficiência, porque quando morrem as metáforas vivas nascem as metáforas mortas.por
dc.language.isoporpor
dc.publisherEditora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA)por
dc.rightsopenAccesspor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/por
dc.subjectMetáfora concetualpor
dc.subjectDescodificação das metáforaspor
dc.subjectMetáforas vivas e metáforas mortas (catacreses)por
dc.subjectPerceção metafóricapor
dc.subjectVascular (origem metafórica)por
dc.titleQuando morrem as metáforas vivas e nascem as metáforas mortas: a rece(p)ção no processo metafóricopor
dc.typebookPartpor
oaire.citationStartPage139por
oaire.citationEndPage159por
dc.subject.fosHumanidades::Línguas e Literaturaspor
dc.description.publicationversioninfo:eu-repo/semantics/publishedVersionpor
sdum.bookTitleLinguística cognitiva: redes de conhecimento d’aquém e d’além-marpor
Appears in Collections:CEHUM - Livros e Capítulos de Livros

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
18 Livro UnivBahia metafVivasMortas.pdf2,18 MBAdobe PDFView/Open

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID