Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/5767

Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorCarvalho, Graça Simões de-
dc.date.accessioned2006-11-09T17:23:14Z-
dc.date.available2006-11-09T17:23:14Z-
dc.date.issued2006-09-
dc.identifier.citationIn PEREIRA, Beatriz Oliveira ; CARVALHO, Graça Simões de - “Actividade Física, Saúde e Lazer : A Infância e Estilos de Vida Saudáveis.” Lisboa : Lidel Edições Técnicas Lda, 2006. ISBN 972-757-423-8. p. 19-37.eng
dc.identifier.isbn972-757-423-8-
dc.identifier.isbn978-972-757-423-0-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1822/5767-
dc.description.abstractNos últimos anos tem havido um grande debate sobre as diversas formas de abordagem da Educação para a Saúde e da Promoção da Saúde. Estas perspectivas têm sido estruturadas em diversos "modelos" que se diferenciam entre si essencialmente pelos objectivos e pelos métodos de trabalho utilizados. É neste contexto que nos surge uma questão crucial: dever-se-á dar ênfase à persuasão para que as pessoas alterem os seus comportamentos e estilos de vida para uma vida mais saudável, ou dever-se-á dar ênfase à alteração do ambiente físico e socio-económico naturalmente conducente a uma vida mais saudável? A tradicional Educação para a Saúde tem-se preocupado essencialmente com a alteração dos estilos de vida, ou seja, tem vindo a persuadir as pessoas a alterarem os seus hábitos para se "encaixarem" no ambiente em que vivem. Este modelo de educação para a saúde tem como objectivo que as pessoas cumpram o programa/proposta que lhes é apresentado, conduzindo à "culpabilização da vítima" quando o indivíduo insiste em não alterar o seu comportamento, por opção e vontade própria ou não. São diversas as alternativas a este modelo tradicional que se podem sintetizar em duas perspectivas diferentes e complementares de educação e promoção da saúde: por um lado, o desenvolvimento de opção informada das pessoas para que possam optar conscientemente e por escolha própria, e por outro, a criação de ambientes infra-estruturais (físicos e sócio-económicos) favoráveis à promoção de estilos de vida saudáveis. Nesta comunicação discutem-se diversos modelos de educação e promoção da saúde, dando especial ênfase não só à importância da opção informada e do "empowerment" dos indivíduos e das populações para assumirem atitudes conscientes e responsáveis quanto à sua saúde mas também à importância da criação de ambientes estruturais favoráveis para a promoção de estilos de vida saudáveis.eng
dc.description.sponsorshipLIBEC/CIFPEC-UM (Centro de Investigação em Promoção da Literacia e do Bem-Estar da Criança da Universidade do Minho)eng
dc.language.isoporeng
dc.publisherLidel - Edições Técnicaseng
dc.rightsopenAccesseng
dc.subjectPromoção da saúdeeng
dc.subjectEstilos de vidaeng
dc.subjectLiteracia para a saúdeeng
dc.subjectEmpowermenteng
dc.titleCriação de ambientes favoráveis para a promoção de estilos de vida saudáveiseng
dc.typebookParteng
dc.peerreviewedyeseng
Appears in Collections:CIEC - Livros e Capítulos de Livros
DCILM - Livros e Capítulos de Livros

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ambientes favoraveis.pdfCapítulo de livro227,97 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID