Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/57441

TitleFluxos, trânsitos e lugares de (des)encontro: contributos para uma lusofonia crítica
Other titlesFlows, transits and (dis)connection points: contributions towards a critical Lusophony
Author(s)Cunha, Luís
Macedo, Lurdes
Cabecinhas, Rosa
KeywordsLusofonia
Cultura
Interculturalidade
Excecionalismo
Singularidade
Lusophony
Culture
Interculturality
Exceptionalism
Singularity
Issue dateDec-2018
PublisherUniversidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS)
JournalComunicação e Sociedade
CitationCunha, L., Macedo, L. & Cabecinhas, R. (2018). Fluxos, trânsitos e lugares de (des)encontro: contributos para uma lusofonia crítica. Comunicação e Sociedade, 34, 147-164. DOI: 10.17231/comsoc.34(2018).2941
Abstract(s)Enquanto conceito, a lusofonia é hoje olhada com justificada desconfiança por muitos lusófonos. Sendo impossível desligar esse conceito do lastro colonial que liga os países que têm o Português como língua oficial, importa, no entanto, não encerrar o debate nesse plano. Neste trabalho revisitamos algumas das narrativas fundacionais de uma identidade mitificada, como são as diferentes assombrações de um prometido Quinto Império ou o lusotropicalismo, tanto na sua fundação no Brasil quanto na sua reconstituição em Portugal. Por outro lado, procuramos pensar a lusofonia a partir da sua matriz formal: uma língua partilhada por diferentes povos em diferentes continentes. Também neste ponto o nosso objetivo é problematizar e densificar o debate, convocando para tal uma experiência singular de reflexão, concretamente a que é elaborada por Jorge de Sena já na reta final do Estado Novo. Partindo dessas focalizações, argumentamos sobre a possibilidade de a lusofonia comportar linhas de fuga a um certo reducionismo crítico, nomeadamente as que decorrem da circulação, convergente e divergente, de narrativas e de experiências singulares. Esta circulação de pessoas, ideias e memórias é potencialmente definidora de um espaço difuso e policentrado de efetiva interculturalidade sobre o qual importa refletir.
As a concept, Lusophony is today looked upon with justified suspicion by many Portuguese-speaking people. It is impossible to separate this concept from the colonial ballast that bounds the countries that have Portuguese as the official language. However, it is important to not end the debate on this plane. In this work we revisit some of the foundational narratives of a mythical identity, such as the different hauntings of a promised Quinto Império or Lusotropicalism, both in its founding in Brazil and in its reconstitution in Portugal. On the other hand, we discuss about Lusophony from its formal matrix: a language shared by different peoples in different continents. Our objective is to problematize and deepen the debate, summoning a unique experience of reflection, concretely the one that is elaborated by Jorge de Sena already in the final stretch of Estado Novo. Based on these focuses, we argue about the possibility of Lusophony to include lines of escape from certain reductionisms, namely those that derive from the convergent and divergent circulation of narratives and singular experiences. This circulation of people, ideas and memories, is potentially defining a diffuse and polycentric space of effective interculturality, which nurtures further reflection.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/57441
DOI10.17231/comsoc.34(2018).2941
ISSN1645-2089
e-ISSN2183-3575
Publisher versionhttp://revistacomsoc.pt/index.php/comsoc/issue/view/245
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Artigos em revistas nacionais / Articles in national journals

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_Cunha_Macedo_Cabecinhas_FluxosTransitosELugaresDeDesencontro_PT.pdfVersão portuguesa136,09 kBAdobe PDFView/Open
2018_Cunha_Macedo_Cabecinhas_FluxosTransitosELugaresDeDesencontro_EN.pdfEnglish version134,85 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID