Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/54745

TitleSustentabilidade no edificado - Método de apoio ao projeto de edifícios hospitalares
Author(s)Castro, Maria de Fátima Morais de Aguiar e
Advisor(s)Mateus, Ricardo
Lopes, Luís Manuel Bragança de Miranda e
KeywordsAvaliação da sustentabilidade
Construção sustentável
Edifícios hospitalares
Hospitais
Sustentabilidade
Sustainability assessment
Sustainable construction
Healthcare buildings
Hospitals
Sustainability
Issue date21-Dec-2017
Abstract(s)O projeto de um ambiente hospitalar requer uma série de preocupações com a satisfação e bem-estar das diferentes equipas de trabalho, pacientes, visitantes e administradores, ao mesmo tempo que possui uma forte responsabilidade social e impacto na cidade. Atualmente, verifica-se que a maioria destes edifícios não é concebida ou utilizada de forma sustentável, apesar de já existirem algumas iniciativas e ferramentas que têm vindo a ser desenvolvidas com o objetivo de serem utilizadas no suporte de decisões que permitam otimizar a sustentabilidade dos mesmos. Assim, para que o desempenho destes edifícios seja elevado, os princípios e as práticas de sustentabilidade devem ser considerados nas duas principais fases do ciclo de vida: fase de projeto (promovendo a adoção de soluções que resultem na melhoria da sustentabilidade da construção); e fase de utilização (suportando as decisões dos gestores e utilizadores do edifício na adequada manutenção dos equipamentos e operação do edifício, a fim de se alcançarem níveis elevados de eficiência). Tendo por base este contexto, o presente trabalho de investigação tem como objetivos discutir as barreiras existentes na disseminação de práticas sustentáveis nos edifícios de saúde e apresentar uma proposta para um método que, dando resposta a algumas das barreiras identificadas, facilite a incorporação de princípios de sustentabilidade durante diferentes fases do ciclo de vida de um edifício hospitalar, particularmente nas fases de projeto e de utilização. A estrutura apresentada é orientada para o contexto português e encontra-se baseada no trabalho desenvolvido até à atualidade pelas organizações ISO e CEN e noutros métodos internacionais de avaliação da sustentabilidade já disponíveis no mercado. Desde a última década do século XX que a indústria da saúde tem vindo a ter em conta o impacte ambiental dos seus edifícios, com vista a avaliação da sustentabilidade dos mesmos. Neste sentido, têm sido desenvolvidos e implementados novos regulamentos, metas políticas e métodos de avaliação da Sustentabilidade dos Edifícios. Tendo por base este contexto, e o facto de não existir em Portugal um método orientado para a promoção da sustentabilidade de edifícios de saúde, neste trabalho foi desenvolvido um método de Avaliação da Sustentabilidade de Edifícios Hospitalares, adaptado ao contexto português. Para tal, foi necessário estabelecer uma estrutura de critérios de avaliação e um conjunto de práticas de referência. Ambos são essenciais para avaliar a sustentabilidade de um projeto e para apoiar as equipas de projeto e todas as outras partes interessadas no processo de conceção e utilização de um edifício sustentável, permitindo a comparação entre um caso de estudo e as práticas convencionais e melhores práticas de mercado. Como resultado, é apresentado um novo método, composto por cinquenta e dois indicadores distribuídos por vinte e duas categorias enquadradas em cinco áreas. Este método pode ser aplicado a todas as Unidades Prestadoras de Cuidados de Saúde (UPCS) novas, existentes ou em reabilitação, integradas em áreas urbanas, com capacidade de internamento ou serviço de ambulatório, durante as fases de projeto e utilização. Acredita-se que a utilização da abordagem desenvolvida é uma das formas mais eficientes para se alcançar a sustentabilidade no sector, pois permite a análise e avaliação comparativa da sustentabilidade de diferentes cenários e o suporte das opções a tomar nas diferentes fases de projeto e do ciclo de vida dos edifícios de saúde. Este método tem uma capacidade adaptativa e permite ser melhorado e atualizado ao longo do tempo.
The design of a hospital environment involves many concerns related to the satisfaction and well-being of the work teams, patients, visitors, and administrators, and at the same time requires strong social responsibility and has a high impact on a city. Currently, it seems that most of this type of building is not designed or used in a sustainable way, although some initiatives and tools have already been developed to support decision-making to optimize building sustainability. To introduce sustainable practices in these buildings to achieve a high level of performance, it is necessary to take actions in two main life cycle stages: design phase (to help the decision makers, mainly the design team, to implement solutions that improve building sustainability); and use phase (to achieve a high level of efficiency, by supporting managers and users in the adequate maintenance of equipment and building operation). Based on this context, the aim of this research work is to discuss the barriers to the dissemination of sustainable practices in healthcare buildings, and to propose a method that facilitates the incorporation of sustainability principles during the different life cycle stages of a hospital building while overcoming some of the identified barriers. The structure presented is oriented to the Portuguese context and is based on the work done to date by the ISO and CEN organizations and other international sustainability assessment schemes already available on the market. Since the last decade of the twentieth century, this industry is paying attention to the environmental impact of their buildings and therefore new regulations, policy goals, and Building Sustainability Assessment (BSA) methods are being developed and implemented. Based on this context and having in mind that there is not in Portugal any method to support decision making to promote a more sustainable healthcare sector, the propose of this study is to developed a Healthcare Buildings Sustainability Assessment that is suitable for the Portuguese context. For this assessment, it is necessary to establish a criteria structure and a set of benchmarks related with their life cycle performance. They are both essential to rate the sustainability of a project and to support designers and other stakeholders in the process of designing and operating a sustainable building, by allowing the comparison to be made between a project and conventional and best market practices. As a result, it is presented a method composed of fifty-two sustainability indicators divided between twenty-two categories according to five areas. This method can be applied to all healthcare providers with inpatient capacity or ambulatory service, during the use phase or design of a new or retrofitted healthcare building in urban areas. It is believed that the use of the developed method is one of the most efficient ways to archive sustainability in the healthcare sector, because it allows to compare the sustainability of different scenarios and to support the decisions making at different design stages. This method has an adaptive capacity and allows to be improved and updated over time.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese de doutoramento em Engenharia Civil
URIhttp://hdl.handle.net/1822/54745
AccessEmbargoed access (3 Years)
Appears in Collections:BUM - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_Maria_Castro.pdf
  Until 2020-12-21
12,85 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID