Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/51725

TitleInversões, ou a obra de arte como origem
Author(s)Moura, Vítor
KeywordsHeidegger
Estética
Issue date2008
PublisherUniversidade de Lisboa. Centro de Filosofia
Abstract(s)Talvez não intencionalmente, o texto sobre A Origem da Obra de Arte , de Heidegger, contém uma recusa implícita das três teorias essencialistas clássicas em arte - representacionalismo, emotivismo e formalismo – e razões importantes para considerar insuficientes as chamadas teorias da experiência estética que as substituíram, ao longo do século XX. No seu lugar, Heidegger deixou a célebre busca – não terminada – pelo ser-obra da obra de arte. E este ser-obra (o werk da Kunstwerk) supõe a defesa da obra de arte como origem ou abertura que não se pode confundir com uma especial modalidade de presença do ente. A especificidade da sua estética está nesta dificuldade: a de entender a obra de arte não como presença mas como abertura e como origem.
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/51725
ISBN978-972-8531-65-2
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CEHUM - Artigos em livros de atas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Inversões, ou a obra de arte como origem.pdf159,64 kBAdobe PDFView/Open

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID