Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/50300

TitlePerceção de excesso de peso em adolescentes: contributos para a enfermagem de saúde escolar
Author(s)Mendes, Maria Goreti
Silva, Maria José
Oliveira, Cláudia
Rosário, Rafaela
KeywordsExcesso de peso
Adolescentes
Saúde escolar
Capacitação
Estilos de vida
Ambiente escolar e saúde
Condições de saúde e desempenho escolar
Qualidade
Formação
Inovação e investigação
Issue date2017
Abstract(s)Introdução: O excesso de peso tem vindo a assumir contornos preocupantes em Portugal e no mundo (Ng et al., 2014). Estudos recentes revelam que a sua prevalência ronda os 36% nos adolescentes portugueses (Lopes et al., 2017). Os adolescentes obesos são mais propensos a sofrer de depressão (Quek et al, 2017), particularmente as raparigas (Meagher et al, 2017). O programa nacional da saúde escolar (DGS, 2014), integra linhas orientadoras para a promoção da saúde na escola, de onde destacamos a alimentação e a atividade física. Objetivo: Avaliar as associações existentes entre a perceção de excesso de peso e o estado ponderal objetivamente monitorizado em adolescentes da região norte. Método: Este estudo integra um projeto mais alargado denominado “Saúde.Escola”. Participaram neste estudo transversal 311 adolescentes, 176 (56.6%) raparigas com idades compreendidas entre os 10 e os 18 anos, média (desvio padrão), 12.1 (1.8) anos, pertencentes a duas escolas da região norte. Os pais (ou representante legal) assinaram o consentimento informado e, os adolescentes assentiram em participar. Os adolescentes foram questionados sobre a sua perceção de excesso de peso e foram monitorizadas a massa corporal e a estatura. O que o estado pondera teve por base os pressuposto de Cole e colaboradores (2000). Procedeu-se à análise descritiva dos dados recolhidos e ao teste de Qui quadrado. Resultados: Dos adolescentes avaliados, 64 (20.6%) referiram ter excesso de peso, 39 (22.5%) raparigas. 128 (41.2%), apresentam excesso de peso objetivamente monitorizado, 69 (53.9%) raparigas. Das 39 raparigas que se percepcionam com excesso de peso, 36 (92.3%) apresentam-no objetivamente (Qui quadrado=60.9, p<.0001) e, dos 25 rapazes que se percepcionam, em todos se verifica excesso de peso (Qui quadrado=43.5, p<.0001). Analisando os dados sob uma outra perspetiva, da totalidade de raparigas com excesso de peso, 36 (53.7%) percepcionam-se desse modo. Por outro lado, dos 53 rapazes com excesso de peso, 28 (52.8%) não se percepcionam como tal. Conclusões/Recomendações: A percepção e a presença de excesso de peso são variáveis que se manifestam de diferente modo na rapariga e no rapaz adolescente, ainda que estejam correlacionadas entre si. A promoção da saúde do adolescente numa perspetiva global merece um olhar centrado na identidade do mesmo. O enfoque na alimentação, atividade física e outros determinantes de estilos de vida são particularmente relevantes não só para a prevenção do excesso de peso, como para a saúde e perceção de bem-estar do adolescente em contexto escolar.
TypeOral presentation
DescriptionApresentação efetuada no VI Encontro de Benchmarking em Pediatria "A Saúde da Criança e do Adolescente na Comunidade", em Braga, Portugal, 2017
URIhttp://hdl.handle.net/1822/50300
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:ESE-CIE - Comunicações / Communications

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Perceção de excesso de peso em adolescentes...VIEncontroBenchmarking.pdf1,26 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID