Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/49497

TítuloAutoridades tradicionais, lideranças comunitárias e poder local em Timor-Leste
Autor(es)Jerónimo, Patrícia
Palavras-chaveTimor-Leste
Poder local
Autoridades tradicionais
Costume
Data2017
EditoraEdições Almedina, S.A.
CitaçãoJERÓNIMO, Patrícia, "Autoridades tradicionais, lideranças comunitárias e poder local em Timor-Leste", in Cláudia Sofia de Melo Felgueiras et al. (orgs.), Estudos em Homenagem ao Professor Doutor António Cândido de Oliveira, Coimbra, Almedina, 2017, pp. 899-935
Resumo(s)À semelhança dos seus congéneres noutros pontos do mundo, Timor-Leste tem procurado resolver a tensão existente entre modernidade e tradição através da adoção de instrumentos legislativos que delimitam o campo de atuação e regulam o funcionamento das autoridades tradicionais, subordinando-o à Constituição e à lei, de modo a assegurar o respeito por valores tidos por indisponíveis, como a democracia, os direitos humanos e a segurança jurídica . Fê-lo em três momentos legislativos sucessivos: em 2004 [com a Lei n.º 2/2004, de 18 de fevereiro (Sobre Eleições dos Chefes de Suco e dos Conselhos de Suco), e com o Decreto-Lei n.º 5/2004, de 14 de abril (Sobre Autoridades Comunitárias)], em 2009 [com a Lei n.º 3/2009, de 8 de julho (Lideranças Comunitárias e sua Eleição)] e em 2016 [com a Lei n.º 9/2016, de 8 de julho (Lei dos Sucos)]. Atentos os termos em que estes diplomas definem a eleição e a atuação das lideranças comunitárias – Chefe de Suco, Conselho de Suco e Chefe de Aldeia –, tudo indica que estas não se substituem às autoridades tradicionais propriamente ditas (Lian-na’in, Liurai, Conselhos dos Katuas ), mas coexistem com elas, constituindo assim, a final, corpos intermédios (de carácter híbrido) entre as autoridades tradicionais e as autoridades estaduais, de âmbito central e local. Isto é assim, mesmo depois da viragem a favor da tradição operada pela reforma legislativa de 2016, que redefiniu o papel dos Sucos e dos líderes comunitários, atribuindo-lhes competências explícitas como guardiães da tradição e responsáveis pela sua transmissão às gerações futuras, um desempenho tradicionalmente confiado aos Lian-na’in. Esta viragem a favor da tradição pode explicar-se como resposta a reivindicações no sentido de fortalecer a representatividade e a autoridade dos líderes comunitários e também como fruto da circunstância de o Estado estar em vias de estabelecer o poder local , o que permite libertar os Sucos para o desempenho de “funções tradicionais”. Não é certo, porém, que o novo regime tenha vindo facilitar a atuação das lideranças comunitárias e a sua articulação com as autoridades tradicionais e com o Estado central e local. Vários indicadores sugerem que o que se passará será precisamente o contrário.
TipobookPart
URIhttp://hdl.handle.net/1822/49497
ISBN978-972-40-7080-3
Versão da editorahttp://www.almedina.net/catalog/product_info.php?products_id=3527
Arbitragem científicano
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:ED/DH-CII - Livros e Capítulos de livros

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
JERÓNIMO, Patrícia, Autoridades tradicionais, lideranças comunitárias.pdf14,63 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis