Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/48339

Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorPereira, Rui Pedro Gomespor
dc.contributor.authorPeixoto, Maria Josépor
dc.contributor.authorMartins, Maria Alicepor
dc.date.accessioned2017-12-14T13:42:45Z-
dc.date.available2017-12-14T13:42:45Z-
dc.date.issued2011-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1822/48339-
dc.description.abstractA Prática Baseada na Evidência (PBE) afigura-se como um actual e relevante desafio em saúde, procurando estabelecer práticas profissionais mais adequadas e seguras, garantindo melhores resultados e optimizando os recursos disponíveis, de acordo com a participação dos envolvidos nos complexos processos terapêuticos e de tomada de decisão. Estabelecer uma enfermagem baseada em evidência é um imperativo, indo ao encontro da obrigação e responsabilidade social da profissão, mantendo e aumentando a credibilidade desta entre as disciplinas da saúde e, para através da construção de uma enfermagem baseada no conhecimento, poder influenciar positivamente as políticas de saúde, incrementando valor acrescentado aos cuidados prestados pelos enfermeiros. Assim, é fundamental identificar face à PBE: barreiras, atitudes e constrangimentos, independentemente da sua índole: pessoal, profissional, científica e ou organizacional. Nesta comunicação pretendemos apresentar os resultados preliminares de um projecto de investigação de carácter transversal, exploratório e descritivo, desenvolvido numa ULS do Norte de Portugal, com recurso à Bolsa de Apoio à Investigação atribuída pela Secção Regional do Norte da Ordem dos Enfermeiros no ano de 2010 e em fase de conclusão. De entre estes, destaca-se que a amostra (n=95), é maioritariamente constituída por mulheres, sendo a faixa etária mais representativa dos 21-30 anos. São detentores de especialização em enfermagem 43,16% (n=41), tendo 28,4% (n=27) já estado envolvido em trabalhos de investigação. Os resultados contemplam também as principais fontes de informação / conhecimento a que recorrem para apoio às práticas. Complementarmente, são quantificadas as percentagens estimadas pelos inquiridos, segundo os quais, a sua prática é baseada em evidência, média 62,6% (n=82). Finalmente, perspectivando uma reflexão-crítica, apresentamos de acordo com a versão portuguesa do “Attitudes to Evidence-Based Practice Questionaire” (University of Ulster©), um ranking constituído por 26 dimensões no qual são hierarquizadas pela sua representatividade, as barreiras apontadas pelos enfermeiros à investigação e à implementação da PBE.por
dc.language.isoporpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectEnfermagem baseada em evidênciaspor
dc.subjectEnfermagem comunitáriapor
dc.subjectBarreiraspor
dc.titleBarreiras à prática de enfermagem baseada em evidência: resultados preliminares de um estudo empíricopor
dc.typeconferencePosterpor
dc.peerreviewedyespor
oaire.citationConferenceDate02- 03 Jun. 2011por
sdum.event.titleIII Congresso da Ordem dos Enfermeirospor
sdum.event.typecongresspor
oaire.citationConferencePlaceLisboa, Portugalpor
dc.subject.fosCiências Médicas::Ciências da Saúdepor
dc.description.publicationversioninfo:eu-repo/semantics/publishedVersionpor
Appears in Collections:ESE-CIE - Comunicações / Communications

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
POSTER OE 2011 - FINAL_pdf.pdf979,27 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID