Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/47677

TítuloA casa de Ofír de Fernando Távora: sustentabilidade e tradição vernacular
Autor(es)Fernandes, Eduardo Jorge Cabral dos Santos
Palavras-chaveArquitectura Portuguesa
Sustentabilidade
Casa de Ofír
Fernando Távora
Data2017
Resumo(s)Embora a generalização da aplicação do termo ‘sustentabilidade’ na área disciplinar da arquitetura seja relativamente recente, a aplicação dos conceitos associados a este princípio à construção é muito antiga. Em “De Architetura Libri Decem” (século I a. C.), o primeiro tratado sobre arquitetura que conhecemos, o arquiteto romano Vitruvius já explicava a importância da relação com o local, a adaptação ao clima e a escolha adequada de materiais no planeamento de cidades e na construção de casas. Da mesma forma, os estudos disciplinares mais importantes do Renascimento (Alberti, Palladio, etc ...) partilham estas preocupações. Também na construção vernacular, construída sem qualquer conhecimento teórico canónico, podemos encontrar a aplicação prática de muitos princípios que agora são considerados essenciais para o conceito de sustentabilidade na arquitetura: o uso de materiais locais, uma exposição solar adequada, uma correta relação com o sítio, o uso de técnicas de construção que evitem desperdícios desnecessários de energia e materiais, etc. Assim, pensar em Sustentabilidade não implica apenas inovação tecnológica, porque ainda podemos aprender muito com o que já foi feito no passado. Quando, em meados dos anos cinquenta, os arquitetos portugueses sentiram a necessidade de estudar a cultura vernacular e realizaram o Inquérito à Arquitectura Popular Portuguesa, tornou-se claro o que já era intuído por alguns dos seus autores: que as construções vernáculas estudadas eram exemplos de funcionalidade e sustentabilidade. Estas conclusões foram muito influentes na arquitetura portuguesa a partir do final dos anos 50, nomeadamente no trabalho de Fernando Távora, crítico das ideias tradicionalistas de Raul Lino mas também da crescente influência do estilo internacional na arquitetura portuguesa, após o primeiro Congresso de Arquitectos Portugueses (1948). Nesta comunicação pretende-se apresentar o trabalho de Távora no projeto da casa de férias de Ofír (1957/58), desenhado durante o processo de trabalho no referido Inquérito (1955/61), como exemplo de aplicação de um conjunto de lições de sustentabilidade aprendidas com o estudo da cultura vernacular do norte do país. É importante relembrar estas lições, porque a maioria delas é ainda válida, nos dias de hoje.
TipooralPresentation
URIhttp://hdl.handle.net/1822/47677
Arbitragem científicano
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:EA - Comunicações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Apresentação.pdf3,92 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis