Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/47384

TitleAlguns desafios na prática da mediação familiar
Author(s)Cruz, Rossana Martingo
KeywordsMediação familiar
Audição criança
Violência doméstica
Responsabilidades parentais
Terapia familiar
Issue date2016
JournalRevista de Direito da Família e das Sucessões
Abstract(s)A mediação familiar é o meio de resolução alternativa de litígios de âmbito privilegiado na esfera dos conflitos familiares. Estes são dotados de características emocionais próprias que os tornam mais adequados a outra sede que não a judicial. E, ao mesmo tempo, são de uma complexidade humana que obriga a uma perspetiva diferenciadora no contexto da mediação. É certo que nem todos os dissídios familiares serão mediáveis, mantendo o foro jurisdicional tradicional toda a sua atualidade e pertinência. De todo o modo, cada vez mais se vislumbram as vantagens de um método auto compositivo, na busca de uma solução que responda aos interesses e anseios daqueles que, outrora, partilharam uma outra dinâmica, numa vivência de proximidade. A mediação familiar existirá para dirimir os conflitos decorrentes da família (sem prejuízo da dificuldade doutrinal que advém da delimitação de «família» e que nos absteremos de analisar). No entanto, a forma mais comum de mediação familiar, em Portugal, ainda é aquela que é usada pelos cônjuges aquando a falência do casamento, ou seja, no entorno do divórcio. É esta mediação familiar, em sentido estrito, que nos debruçaremos e sobre a qual levantaremos algumas questões práticas com as quais a mediação familiar se tem debatido. Uma destes desafios será o de determinar, em cada caso, se terceiros (que não as partes diretamente envolvidas no dissídio) poderão participar e ser ouvidas em sede de mediação familiar. Da problemática do acompanhamento pelo advogado das partes, à participação dos filhos menores, bem como a audição de outros intervenientes. Também se questiona se um casal que passou por episódios de violência doméstica poderá ser elegível para a mediação familiar. Os autores e práticos da mediação parecem não ter a mesma posição sobre este assunto. Algumas delimitações concetuais serão necessárias neste âmbito para que se alcance o que se pode entender por situações «de» violência doméstica e situações «com» violência doméstica e se tal interessará no contexto da mediação. Por outro lado, não raras vezes, existirá a tentação, por parte do mediador, de «tratar» o conflito, reconciliando os mediados. Ora, o papel do mediador estará a jusante do conflito, na medida em que o deve aceitar e trabalhar no sentido de minimizar as suas consequências, apelando a um diálogo cordial entre as partes. Entendemos que uma postura que vá mais além estará a desvirtuar a mediação e a cruzar caminhos com a terapia familiar, sobrepondo-se a esta. Estas são algumas problemáticas que surgem associadas à mediação familiar e que merecem uma discussão jurídica, atendendo à sua premência. A mediação familiar para evoluir e ser vista como uma verdadeira alternativa não deve recear expor as suas fragilidades, pois é do debate de ideias que a mesma se pode nutrir e desenvolver.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/47384
ISSN2358-2057
Publisher versionhttp://www.adfas.org.br/rdfas/sobre.aspx#
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:ED/DH-CII - Livros e Capítulos de livros

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
IPVA - SUJEIÇÃO PASSIVA NO LEASING FINANCEIRO.pdf13,22 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID